Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Semana de promoções aquece comércio e vendas aumentam 7% em Campo Grande

Campanhas foram realizadas em todo o Brasil para impulsionar vendas mesmo na crise
19/09/2020 12:00 - Glaucea Vaccari


Campanha realizada para movimentar o comércio teve resulado positivo em Campo Grande, com aumento de 7% nas vendas, em comparação com o mesmo período do ano passado.

A PromoGrande acompanhou iniciativa do governo federal, que promoveu a segunda edição da Semana do Brasil, entre os dias 3 e 13 de setembro, com objetivo de aquecer o comércio.

Em Campo Grande, campanha foi realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-CG) com adesão de mais de 730 empresas no centro e bairros, shoppings, centros comerciais e camelódromo.

Apesar da crise gerada pela pandemia do coronavírus, houve melhora nas vendas durante o período, comparando com o mesmo período de 2019, quando não havia pandemia.  

“Identificamos um crescimento de 7% nas vendas, com aprovação da campanha por mais de 80% dos lojistas que participaram”, informou o presidente da CDL-CG, Adelaido Vila.

“Mas, o mais importante, foi a melhora na autoestima do setor, que vinha muito abalado com a pandemia e pode sentir um novo vigor para enfrentar os próximos meses. Com certeza esse foi o maior ganho da PromoGrande”, pontuou.

Durante o período, lojas ofereceram descontos para estimular as compras durante o período próximo ao feriado da Independência, que não costuma ser de grande movimento.

Em Campo Grande, além da PromoGrande, também foi realizada a “Juntos por Campo Grande na Semana do Brasil”, promovida pela Associação Comercial e Industrial da Capital (ACICG).

 
 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!