COMBUSTÍVEIS

Simone critica governador e presidente: “falta bom senso aos dois lados”

Para senadora, Bolsonaro faz cortesia com chapéu alheio
14/02/2020 14:03 - Eduardo Miranda, Izabela Jornada


Na polêmica sobre a tributação dos combustíveis, a senadora Simone Tebet (MDB) não poupou o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), nem o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), de suas críticas. “Está faltando bom senso de ambos os lados”, disparou.  

“Chega de populismo. Nem de um lado, nem de outro. Nem de esquerda, nem de direita”, afirmou Tebet. Segundo a senadora, o presidente não deveria ter lançado o desafio de zerar impostos aos governadores. Na semana passada, Bolsonaro disse: “Se eles zerarem o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), eu zero o imposto federal”.  

“Ele não deveria ter dito o que disse, ter exposto os governadores desta forma”, ponderou. “É muito fácil fazer cortesia com chapéu alheio”, acrescentou.  

Simone Tebet lembrou que Bolsonaro sabia que os governadores não podem acabar com os impostos. “Mas convenhamos? Não é o momento de aumentar alíquota de ICMS”, lembrou a senadora, ao criticar as mudanças nos impostos feitas por Azambuja.  

Na quarta-feira (12), entrou em vigor lei estadual que reduz a alíquota do ICMS sobre o etanol de 25% para 20%, e eleva a alíquota do mesmo imposto sobre a gasolina de 25% para 30%.  “Não podemos diminuir? Mas também nmão vamos aumentar”, disse.

 
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".