Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Vendas no Dia das Mães fica abaixo da expectativa, dizem comerciantes

Circulação de clientes caiu mais da metade por conta do novo coronavírus
08/05/2020 13:58 - Gabrielle Tavares


Pouco antes do Dia das Mães, o centro de Campo Grande registrou circulação de pessoas abaixo do esperado na manhã desta sexta-feira (08). Segundo comerciantes, as vendas diminuíram em até 60% em comparação ao mesmo período do ano passado. Mesmo com queda nas vendas, havia grande aglomeração de pessoas nas calçadas da Rua 14 de Julho.

O estudante de Engenharia Civil, Gabriel de Barros disse que foi dispensado do local onde estagiava por causa da pandemia da Covid-19, mas mesmo assim não vai deixar de comprar o presente para a mãe. “Acho importante presentear minha mãe por tudo que ela significa para mim, ela sempre está do meu lado”, contou. 

A esteticista Andreia Benites já tinha ido as comprar quando conversou com a reportagem do Correio do Estado, mas garantiu que não poderia deixar de presentear a mãe em uma data especial. “Não pode passar em branco, é um gesto de carinho, um símbolo do meu amor que ela pode guardar como lembrança”, disse. 

Mas não são todos que pensam assim, como relatou a subgerente de uma loja de cosméticos do Centro, Tatiana da Silva. “Em comparação com o ano passado os clientes diminuíram bastante. Tivemos prejuízo infelizmente, ninguém esperava por isso, mas, pelo menos, não precisamos demitir ninguém”.

 
 

Já em uma loja de acessórios da mesma rua, foram demitidos oito funcionários, como informou a gerente Jéssica Andrade Cardoso. A circulação no local estava baixa, com poucos compradores. “Depois da pandemia não está como esperávamos, essa mesma hora no ano passado a loja estava cheia de gente. Mesmo assim estamos bem esperançosos, aos poucos os clientes estão voltando o que eram antes, graças a Deus”, relatou Jéssica.

A gerente ressalta que estão seguindo todas as medidas de segurança, mas não pensa que será necessário outro período de fechamento do comércio. “Tem álcool em gel para os clientes que entram, as funcionárias usam máscaras, esterilizamos o máximo de produtos possíveis, mas não temos medo não, estamos mais em fé de que não vamos precisar fechar novamente”.

Uma das alternativas que as lojas usaram para evitar prejuízo nas vendas foi criar promoções para atrair os clientes. “Diminuímos os preços de diversos produtos e fizemos ofertas em todas as faixas de preço, para caber no bolso de todo mundo já que não está fácil para ninguém”, apontou a subgerente Tatiana.

A tática teve sucesso, a estudante Geovana Buzinaro aproveitou as ofertas para garantir o presente para sua mãe “ela me presenteia diariamente, então acho importante devolver o gesto nesta data”. O mesmo aconteceu com a agente comunitária de saúde Maria Lurdes Pereira, “comprei um kit de cosméticos, graças a Deus a pandemia não me prejudicou financeiramente a ponto de não conseguir presentear minha mãe”.

 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...