Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RIO DE JANEIRO

Afastado pelo Botafogo, equatoriano nega consumo de álcool

Gabriel Cortez se pronunciou sobre os episódios polêmicos em que se envolveu
30/07/2020 01:00 - Estadão Conteúdo


Afastado do Botafogo na semana passada, Gabriel Cortez se pronunciou na quarta-feira (29) sobre os episódios polêmicos em que se envolveu. O jogador teria sido deixado fora dos planos pelo clube por problemas disciplinares, segundo o técnico Paulo Autuori. E ainda passou a ser alvo de críticas pela participação em uma live em que fez elogios ao Flamengo, além de supostamente ter consumido bebida alcoólica.

Cortez, então, confirmou os elogios ao rival do Botafogo, mas negou o uso de álcool. "Fiz uma live no Instagram com um amigo e disse que o Barcelona no Equador é o maior, assim como o Flamengo é aqui, algo normal. Agora, de onde tiram essas coisas. Eu não estava bebendo, eu estava em casa", disse, em entrevista ao jornal equatoriano Expresso.

Além disso, o equatoriano disse não compreender as razões da sua dispensa. "Não sei o que aconteceu, falei com o professor e um dia ele me chamou à parte e me disse que não contava comigo e que não iam me comprar", acrescentou.

No último sábado, antes de amistoso contra o Fluminense, Autuori afirmou que avisara ao jogador que ele não estava mais nos planos do clube. Além disso, classificou o comportamento do equatoriano na live como "fora de propósito".

O Botafogo vai rescindir o contrato de empréstimo junto ao Guayaquil City, do Equador, que tinha validade até o final do ano, com opção de compra por valor fixado. O atleta atuou em apenas quatro jogos e deixará o time alvinegro sem marcar gols.

 
 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.