Esportes

BRASIL x FRANÇA

Alma da Copa estará presente, diz Blanc

Alma da Copa estará presente, diz Blanc

LEANDRO CANÔNICO

08/02/2011 - 17h00
Continue lendo...

A alma da decisão da Copa do Mundo de 1998 estará presente. Mas só nos minutos iniciais do amistoso entre França e Brasil, nesta quarta-feira, às 18h (de Brasília), no Stade de France, em Paris. É essa a opinião do atual treinador da seleção francesa, Laurent Blanc, zagueiro do time campeão mundial. Ainda em início de trabalho, ele também não vê o amistoso como o jogo mais importante de sua fase.

- Jogar contra o Brasil traz muitas lembrança, é verdade. Tem um gosto especial atuar contra o país do futebol. A final de 98 será a maior lembrança, mas só quando começar. Depois vai ser um jogo como outro qualquer, porque é outro momento e os jogadores não são iguais – declarou o técnico francês.


Blanc participou de quase toda campanha do título da França em 1998. Mas não esteve na grande decisão, no próprio Stade de France. Isso porque havia sido expulso na semifinal contra a Croácia. Foi a única partida que ele perdeu.

Ex-zagueiro, Laurent Blanc assumiu a França depois do fracasso da Copa do Mundo da África do Sul (os “Le Bleus” foram eliminados ainda na primeira fase e tiveram várias polêmicas por problemas de relacionamento no grupo). Mas o jogo com o Brasil parece não ser o mais importante para ele desde então.

- Não é o jogo mais importante desde que assumi, porque não vale pontos e o que nos interessa agora são pontos para classificarmos para a Eurocopa. Mas o jogo com o Brasil, claro, é de prestígio – completou o treinador.

Blanc iniciou mal sua passagem pelo comando da seleção da França. Perdeu um amistoso para a Noruega e também na estreia das eliminatórias para Eurocopa de 2012, contra a Bielorrússia. Mas depois disso engatou quatro vitórias seguidas: Bósnia, Romênia e Luxemburgo, pelas eliminatórias, e o amistoso com a Inglaterra.

Gestão Esportiva

Governo negocia com a UFMS a administração do Estádio Morenão

Governo busca transferir a gestão do Estádio Universitário Pedro Pedrossian para empresas privadas, afirma deputado Pedrossian Neto

11/06/2024 17h22

Estádio Universitário Pedro Pedrossian

Estádio Universitário Pedro Pedrossian Fotos: Gerson Oliveira

Continue Lendo...

Durante a comissão parlamentar criada na Assembleia Legislativa para monitorar e discutir o andamento das obras no Estádio Universitário Pedro Pedrossian, o deputado Pedrossian Neto (PSD) confirmou que o governo estadual está em conversas com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) sobre a concessão para administrar o Estádio do Morenão, por meio da Secretaria de Estado de Turismo, Esporte e Cultura (Setesc).

Incomodados com a tímida reforma do Morenão, parlamentares e dirigentes de clubes cobraram dos representantes da Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura (Fapec) mais agilidade na entrega das obras. A reforma do Estádio Universitário Pedro Pedrossian está ocorrendo desde 2022, enfrentando atrasos significativos e custos excedentes.

"As obras no Morenão estão acontecendo de forma muito tímida. As condições do gramado são péssimas. Está crescendo até mamão e melancia e as condições do complexo são insalubres. O estádio está deteriorando com o tempo. Por isso, preciso saber o que falta para voltar a ter jogos?" 

Fotos: Gerson Oliveira

A revitalização do Morenão teve início em 2022 com expectativas elevadas de investimento inicial de R$ 9.404.942,70, dividido em duas etapas: infraestrutura e reforma dos banheiros/vestiários.

Com o tempo passando e a falta de transparência da Fapec, tornou-se evidente que as obras estavam sendo estendidas até o primeiro semestre de 2024. Até o momento, apenas a segunda fase das obras foi concluída. 

Representando a Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura (Fapec), o assessor jurídico José Eduardo Lima relatou que, até o momento, foram gastos R$ 7.838.761,08. No entanto, para concluir a obra, incluindo a instalação de cadeiras na área coberta, seriam necessários R$ 38.904.711,10, representando um aditivo de mais de R$ 31 milhões. Caso o contrato seja rompido, esses valores devem ser entregues aos cofres públicos. 

"Até o momento a reforma do banheiro foi concluída, mas existe agora uma necessidade de repensar no projeto como um todo. Por que? O valor destinado para obras do Morenão foi superado após a elaboração dos orçamentos. Por isso demonstra que o valor está bem acima do previsto para poder dar  continuidade à parceria". 

Divulgação/ Fapec

Negociações entre Governo e UFMS

De acordo com meses de apuração da reportagem, o governo de Mato Grosso do Sul demonstra total interesse em investir ainda mais no futebol de Mato Grosso do Sul. Durante conversas com dirigentes e representantes de governo, observa-se o interesse de Eduardo Riedel em utilizar o esporte local como atrativo para atrair investidores de fora do estado. 

O objetivo do governo estadual é adquirir a gestão do Estádio Universitário Pedro Pedrossian e, posteriormente, investir na revitalização e ultilizar o esporte local para atrair o interesse de empresários e buscar mais investimentos em Mato Grosso do Sul e, assim impulsionar a economia do estado.

A informação sobre o interesse no esporte foi confirmada pelo governador Eduardo Riedel, durante a assembleia de clubes, na última semana no Hotel Turis, quando os dirigentes aprovaram o nome de Estevão Petrallas à frente da federação. 

"Neste momento precisamos de equilíbrio, porque tem muita coisa que precisa ser apurada nessas investigações do Cartão Vermelho. Vocês precisam discutir o futebol do estado e dialogar para chegar em um bom termo. O nosso compromisso com vocês continua e precisamos discutir o futuro do Morenão", disse o governador para os presidentes de clubes, durante a assembleia de clubes na semana passada.  

Confirmando as declarações do governador Eduardo Riedel na reunião dos clubes, o deputado Pedrossian Neto afirmou que o governo do estado tem interesse em adquirir a gestão do Morenão e, posteriormente, repassá-la para uma empresa privada para administrar o complexo. 

"O Morenão precisa ser uma arena moderna como em outras capitais brasileiras. Ela precisa ser usada não somente para o futebol, mas atividades artísticas, religiosos entre outros segmentos que possam dar rentabilidade econômica para o estado. Eu sei que o público e o torcedor querem que este estádio seja administrado por uma empresa, não pelo dinheiro público", relatou.  

 

Divulgação/ 

As negociações ...

Durante a reunião, o titular da Setesc Marcelo Miranda, ressaltou a necessidade de um plano para administrar a utilização adequada do complexo. 

“Precisamos de uma sinalização para efetuar a concessão. Depois disso, o governo precisa criar um plano de ação para analisar como essa gestão pode ser ultilizada", disse Miranda.  

De acordo com o procurador do Estado, Wagner Garcia, disse que em caso a UFMS transfira a titularidade para o estado, a Agesul (Agência Estadual de Empreendimentos) poderá iniciar as obras conforme a disponibilidade financeira. Ele acredita que em 45 dias, a situação possa ser resolvida para avançar com as obras re revitalização.  

“Esse contato com a UFMS já aconteceu diretamente com o reitor. A gente acredita que entre 45 dias, teremos uma definição  e formalização juridica, porque essas mudanças envolvem até a Superintendência do Patrimônio da União sobre questões burocráticas que precisam ser resolvidas.” mencionou o procurador.  
 

 Assine o Correio do Estado  

Esportes

Condenação por ataques racistas de Vini Jr vai mudar o futebol, dizem especialistas

Torcedores que atacaram brasileiro com cantos racistas são condenados a oito meses de prisão

10/06/2024 23h00

Emissora espanhola Gol flagra insultos racistas de torcida do Mallorca contra Vini Jr Vinicius Junior em partida contra o Real Madrid

Emissora espanhola Gol flagra insultos racistas de torcida do Mallorca contra Vini Jr Vinicius Junior em partida contra o Real Madrid Foto: Reprodução/Gol

Continue Lendo...

Uma vitória fora dos campos merece destaque entre os feitos colecionados neste ano pelo jogador Vinicius Junior. Pela primeira vez na história do futebol espanhol infâmias racistas receberam condenação na Justiça. Os agressores são três torcedores que, no dia 21 de maio do ano passado, ofenderam o craque do Real Madrid durante um jogo no Estádio Mestalla, na cidade de Valência. Eles foram condenados a oito meses de prisão e banidos do futebol por dois anos.

"Essa primeira condenação por racismo no âmbito esportivo é uma vitória para o futebol e para toda a sociedade espanhola", diz o advogado Juan José Ríos Zaldívar, responsável pela área processual da auditoria Grant Thornton na Espanha e palestrante em cursos de Direito aplicado ao futebol. "É um fato histórico, que divide o esporte entre um antes e um depois", afirma Esteban Ibarra, presidente do Movimento contra a Intolerância - ONG madrilena que acompanha de perto a carreira do jogador.

O caminho para chegar à condenação foi longo. Tudo começou quando, provocada pelas denúncias de Vinicius Junior, a entidade que coordena os campeonatos de futebol na Espanha - La Liga - começou a levar casos de racismo ao Ministério Público do país. As denúncias vinham chegando à Justiça desde 2021, mas não prosperavam.

"Existem duas dificuldades básicas para que se condene um torcedor racista na Espanha", diz o advogado Ríos Zaldívar. "A primeira é identificar os autores da ofensa. A segunda é determinar que houve motivação racista. Muitos juízes consideram as ofensas consequência da emoção provocada por uma partida de futebol."

Na Espanha, ao contrário do Brasil, não existe uma lei específica contra o racismo. Os três torcedores do foram condenados com base no artigo 510 do Código Penal. "Ele pune ataques contra a dignidade de uma pessoa por razões de raça, gênero, religião, orientação sexual, doença e condição social, entre outras coisas", diz o advogado Ríos Zaldívar. Os autores reconheceram o crime e pediram desculpas ao jogador e ao clube, o que serviu como atenuante. Não há como avaliar se a pena foi branda por se tratar de punição inédita no contexto espanhol.

Um caso famoso envolveu Nico Williams, jogador negro do Athletic Bilbao. Um vídeo em que um torcedor dirige a ele ofensas racistas foi postado no Instagram e levado à Justiça pela La Liga. Os auxiliares do juiz, no entanto, vasculharam as redes sociais do agressor e consideraram que "não parece uma pessoa que pretenda incitar o racismo, nem que os gestos realizados pretendem atacar tal fim". O processo foi arquivado.

O caso de Nico Williams foi um dos 37 levados por La Liga ao Ministério Público espanhol. Mais da metade dos casos -20- envolvem Vinicius Junior, de longe a maior vítima de agressões racistas na Espanha. Ou melhor, como ele próprio postou nas redes sociais após a condenação dos três torcedores de Valência: "Não sou vítima de racismo. Eu sou algoz de racistas".

Para que o caso tivesse o desfecho esperado, La Liga arcou com os custos processuais desde o início. O Real Madrid ajudou num segundo momento -a princípio, o clube espanhol via com desconfiança a militância antirracista do craque, temendo que desviasse seu foco do futebol. Na postagem que fez nas redes, Vinicius Junior agradeceu a ambos, ao clube e à liga.

No meio do futebol -ao contrário do que acontece no basquetebol ou na música pop- são raros os astros que abraçam causas. Vinicius Junior é uma exceção. Seu staff trabalha em parceria com a empresa Roc Nation, do rapper Jay-Z. A Roc Nation foi a responsável por aumentar o número de artistas negros no show de encerramento do Super Bowl, principal evento no calendário do futebol americano. Vinicius Junior já postou em suas redes fotos com Jay-Z e sua mulher, a cantora Beyoncé.

Alguns dos ídolos de Vinicius Junior estão fora do mundo do futebol. Um deles é o jogador de basquete LeBron James, voz firme contra o assassinato de George Floyd por um policial de Mineápolis. Outro é Jackie Robinson, o primeiro jogador negro a disputar a liga principal de beisebol nos Estados Unidos.

O combate ao racismo será um dos temas da série sobre Vinicius Junior que deverá estrear no ano que vem na Netflix. Em fevereiro deste ano, a equipe de gravação tentou registrar cenas de um jogo do Real Madrid no Mestalla, que marcaria a volta do brasileiro ao estádio onde sofreu a agressão que resultaria na condenação de ontem. A direção do Valencia proibiu o registro das imagens.

O documentário deverá mostrar os melhores lances da Liga dos Campeões de 2024, em que Vinicius Junior fez um gol na final e recebeu o troféu de melhor jogador do torneio. O drible acrobático que deu no zagueiro Julian Ryerson, na final contra o Borussia Dortmund, deixou seus colegas de time literalmente boquiabertos e viralizou nas redes sociais.

Quais serão as consequências práticas da condenação dos torcedores racistas? "O caso ainda não irá gerar jurisprudência, pois na Espanha isso só acontece quando há um referendo por parte da Suprema Corte", diz o advogado Ríos Zaldívar. "A decisão, no entanto, será citada em outros processos de racismo, e servirá de exemplo para casos semelhantes, especialmente para jogadores mais jovens e menos famosos que Vinicius Junior."

 

*Informações da Folhapress 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).