Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

ESPORTES

Atletas da Olimpíada não farão isolamento de 14 dias, diz organização

Ideia inicial é que realizem testes 72 horas após chegada à Tóquio
12/11/2020 14:00 - Agência Brasil


Os atletas que forem a Tóquio para os Jogos Olímpicos do ano que vem, adiados em 2020 por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19), serão dispensados do período de isolamento de 14 dias que o Japão impôs a pessoas vindas do exterior para ajudar a conter a disseminação do vírus.

Os organizadores olímpicos disseram nesta quinta-feira (12) que os detalhes ainda precisam ser elaborados, mas as medidas para os atletas provavelmente incluirão exames de detecção de coronavírus 72 horas após sua chegada ao Japão.

Mas eles alertaram que as decisões sobre os espectadores estrangeiros ainda serão tomadas, dizendo que uma quarentena de 14 dias é "impossível".

"Atletas, técnicos e autoridades dos Jogos que são elegíveis para os Jogos de Tóquio terão permissão para entrar no país, contando que medidas significativas sejam tomadas antes de chegarem ao Japão", disse o executivo-chefe da Tóquio 2020, Toshiro Muto, em uma coletiva de imprensa.

Muto falava após uma reunião entre autoridades do governo metropolitano de Tóquio, do governo nacional e dos organizadores da Tóquio 2020 a respeito dos procedimentos de prevenção de infecções durante a Olimpíada.

Ele disse que uma decisão sobre os espectadores estrangeiros será tomada no ano que vem, dependendo dos desdobramentos da pandemia. 

O Japão realizou vários eventos de teste recentemente, incluindo uma competição de ginástica de quatro nações no final de semana passado que foi assistida por torcedores japoneses.

"Até a próxima primavera, conceberemos um plano para os espectadores, inclusive espectadores não-japoneses", disse. "É impossível impor uma quarentena de 14 dias a espectadores estrangeiros, então exames antes e no ato de chegada são necessários".

 
 

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!