Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

QUADRANGULAR PRÉ-OLÍMPICO

Brasil empata com Colômbia na estreia do quadrangular Pré-Olímpico

Seleção sai em desvantagem, mas cresce no fim e consegue igualdade
04/02/2020 07:42 -


 

O Brasil  com sofrimento empatou com a Colômbia 1 a 1 nesta segunda-feira (3), na primeira rodada do quadrangular do Pré-Olímpico, em Bucaramanga. Quem trouxe o gol do empate foi Matheus Cunha, e depois de vecer as quatro partidas que disputou na primeira fase, a equipe de André Jardine estreou na fase decisiva para os Jogos de Tóquio.

Com a pressão de um estádio lotado de torcedores adversários, Antony esteve perto em duas finalizações, mas ele e Paulinho não tiveram destaque como em outros jogos. O desespero no coração dos torcedores brasileiros que viram o Brasil acertando tudo, menos o gol. Na hora de finalizar, Paulinho bateu rente à trave mais de uma vez; Pedrinho, que voltou ao time após se recuperar de lesão e foi substituído por Pepê na etapa final, mandou por cima em chute de fora da área e em cabeceio cara a cara. O componente do quarteto ofensivo, Matheus Cunha, foi decisivo ao marcar o gol de empate

Nos quatro jogos da primeira fase o Brasil obteve 100% de aproveitamento, teve uma marca de produção ofensiva considerável, marcando 11 gols em quatro jogos, embora tenha falhado bastante nas finalizações. No estádio, o técnico da seleção principal do Brasil, Tite acompanhava a partidam, acompanhado por Rogério Caboclo, presidente da CBF, e Juninho Paulista, coordenador de seleções.

A seleção sub-23 do Brasil pareceu tensa. Os donos da casa lotaram o estádio e com vantagem, se retrancaram e dificultaram o jogo brasileiro. A defesa, mesmo com as mudanças realizadas pelo técnico André Jardine, se mostrou insegura e e teve dificuldades com a velocidade colombiana em alguns contra-ataques. Bruno Fuchs e Iago, ex-companheiros de Internacional, erraram bastante. 

Na quinta-feira a seleção disputará o quadrangular decisivo do Pré-Olimpico, enfrentando o Uruguai às 20h (de Brasília), e encerrando sua participação no domingo contra a Argentina. Na segunda, os argentinos tiveram com a vitória por 3 a 2 sobre os uruguaios. Os dois primeiros colocados se garantem nos Jogos de Tóquio.

O JOGO

O que se destacou no inicio da partida foi o ataque. Jardine fez três alterações na defesa em relação ao time-base do brasil na primeira fase do Pré-Olimpíco, mudando os laterais coolocando Dodô e Iago além do zagueiro Bruno Fuchs. Com marcação adiantada, a seleção pressionou a Colombia  e com uma roubada de bola e Bruno Guimarães e quase abriu o placar no começo do jogo e terminou com uma finalização perigosa de Paulinho. A equipe demonstrou nervosismo mesmo com o domínio inicial, onde Matheus Henrique quase marcou um gol contra em uma dividida no meio-campo, fez más finalizações.

Esta situação foi problemática para o time brasileiro, e vantajosa para os colombianos, que avançaram um veloz ataque aos 26 minutos do primeiro tempo. Benedetti avançou pela esquerda e cruzou da linha de fundo. Nas costas de Iago, Cetré cabeceou no canto esquerdo da meta defendia da por Ivan, fazendo 1 a 0. O gol colombiano obrigou o Brasil a ampliar a postura ofensiva. Aos 39 minutos, o jogo já estava bem mais complicado para a seleção, com dificuldades de encontrar espaços na retranca colombiana, a seleção ainda quase foi vazada aos 44, quando uma tentativa de cruzamento de Cetré desviou em Bruno Fuchs e forçou Bruno Fuchs a fazer difícil defesa.

A pressão e a tensão após o intervalo causou uma série de chances perdidas pela seleção. Foram duas em sequência, com Pedrinho e Antony, que pararam em boas defesas de Ruiz. Mas quando o momento parecia ruim, a seleção respondeu. Aos 25 minutos do segundo tempo, Paulinho fez um lançamento para Matheus Cunha, que chutou cruzado, de fora da área, no canto direito da meta de Ruiz. E o atacante recém-contratado pelo Hertha Berlin quase marcou o gol da virada no lance seguinte, não fosse uma grande defesa de Ruiz

Nesse momento, a seleção retomou o controle da partida, forçando a Colômbia a ser mais ofensiva. Ivan, felizmente, travou o time colombiano e fez uma ótima defesa em uma finalização de Carbonero que desviou em Guga, em jogada iniciada em erro de Matheus Henrique. O Brasil tinha mais qualidade e força ofensiva. E poderia ter conseguido a vitória aos 41, quando Pepê recebeu de Bruno Guimarães na esquerda, tocou para Paulinho, que deu uma caneta no marcador dentro da grande área, mas bateu fraco, facilitando a defesa de Ruiz.

BRASIL 1 x 1 COLÔMBIA

BRASIL
Ivan; Dodô (Guga), Nino, Bruno Fuchs e Iago; Bruno Guimarães, Matheus Henrique e Pedrinho (Pepê); Antony, Matheus Cunha e Paulinho (Reinier)
Técnico: André Jardine

COLÔMBIA
Ruíz; Herrera, Ditta, Segura e Fuentes; Kevin Balanta, Atuesta, Avaraldo, Benedetti (Carbonero) e Carrascal (Sandoval); Cetré (Arroyo)
Técnico: Arturo Reyes

Local: Estádio Alfonso López, em Bucaramanga (Colômbia)
Data: segunda-feira, 3 de fevereiro
Árbitro: Ángel Arteaga (Venezuela)
Cartões amarelos: Bruno Fuchs, Kevin Balanta, Ditta, Bruno Guimarães, André Jardine, Arturo Reyes, Nino, Alvarado e Carbonero
GOLS: Cetré, aos 26min do 1T; Matheus Cunha, aos 25min do 2T

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.