Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ASSUNÇÃO

Com ida ao Paraguai agendada, Moro deve visitar Ronaldinho na prisão

O ministro da Justiça irá ao país vizinho entre os dias 26 e 27 para dar palestras
11/03/2020 13:02 - Da Redação


O ministro da Justiça Sérgio Moro irá ao Paraguai neste mês, entre os dias 26 e 27. A visita já estava agendada há algum tempo, e ele dará palestras no país vizinho, entretanto, a oportunidade deverá ser usada para que ele visite o ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho, preso desde a semana passada, junto do irmão Assis, por portar passaporte falso.

Ronaldinho é, inclusive, embaixador do turismo do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O ministro já quis saber também das condições de segurança do presídio em que o ex-jogador e o irmão estão. A informação foi passada pelo ministro do Interior do Paraguai, Euclides Acevedo.

“O ministro Moro me escreveu no sábado (7) e perguntou sobre a situação de Ronaldinho. Quis saber se ele e Assis poderiam ser libertados. Respondi que não depende de mim. Também perguntou se estão em um local seguro, e respondi que sim. Ele não gostou da prisão de Ronaldinho”, declarou Acevedo em entrevista a jornais paraguaios.

O ministro brasileiro confirmou o contato, mas negou que tenha tentado interferir no caso. “Em nenhum momento, houve interferência na apuração promovida pelo Estado paraguaio. O Ministério da Justiça e da Segurança Pública preza pela soberania dos Estados e pela independência dos órgãos judiciários”, declarou em nota.

A visita de Moro ao país vizinho será para dar palestra sobre segurança e cooperação penitenciária. Além disso, ele também já tinha um encontro marcado com a ministra da Justiça do Paraguai, Cecilia Pérez, antes da prisão do brasileiro.

Com isso, o governo paraguaio já prevê uma ida de Moro ao presídio para encontrar com Ronaldinho. O ministério, entretanto, não confirmou essa informação.

 

Felpuda


Pré-candidato a prefeito de Campo Grande divulgou vídeo em que político conhecido Brasil afora anuncia apoio às suas pretensões. O problema é que o tal líder já andou sendo denunciado por mal feitos em sua trajetória, sem contar que o pai do dito-cujo teve de renunciar ao cargo de ministro por ter ligações nebulosas com empresa de agrotóxico. Depois do advento da internet, essa coisa de o povo ter memória curta hoje não passa de coisa “da era pré-histórica”.