Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OLIMPÍADAS

Comitê dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio reduz 1,5 bilhão de reais em custos

Gastos relacionados ao revezamento da Tocha Olímpica serão reduzidos para o evento do ano que vem
07/10/2020 16:30 - Agência Brasil


Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio terão um orçamento mais enxuto. O Comitê Organizador dos Jogos anunciou nesta quarta-feira (7) uma redução estimada em US$ 280 milhões de dólares, aproximadamente R$ 1,5 bilhão de reais, nos custos para a realização do evento no ano que vem.

A economia será realizada por meio de uma política de simplificação dos Jogos, que tiveram os gastos ampliados devido ao adiamento de um ano, decorrente da pandemia do novo coronavírus (covid-19). O orçamento revisado com os custos referentes à mudança das datas das competições deverá ser apresentado até o final de dezembro.

Sem apresentar detalhes, o Comitê Organizador disse que a readequação vai passar por uma revisão de custos na aparência do evento e nas instalações das Vilas Olímpica e Paralímpica. Além disso, haverá uma otimização das operações de revezamento da Tocha Olímpica Tóquio 2020. Outra redução está ligada ao custo relativo com as pessoas envolvidas na preparação e organização dos Jogos.

Em nota, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos reafirma os esforços para a realização do evento no ano que vem.

“Tóquio 2020 acredita que este trabalho ajudará a criar um modelo para eventos globais futuros, incluindo os próximos Jogos em meio ao novo normal em que vivemos agora. Continuaremos a nos esforçar para fazer dos Jogos de Tóquio 2020 um legado para a humanidade no futuro.”

Os Jogos Olímpicos serão disputados entre 23 de julho e 8 de agosto. Já os Paralímpicos vão acontecer entre 24 de agosto e 5 de setembro.

 
 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!