Clique aqui e veja as últimas notícias!

TIMÃO

Corinthians oferece até TVs como penhora para pagar dívidas

Corinthians tenta evitar o bloqueio de suas receitas com patrocinadores e com a Globo
14/09/2021 12:58 - FOLHAPRESS


Após grande movimento no mercado de contratação de jogadores nas últimas semanas, o Corinthians tenta evitar o bloqueio de suas receitas com patrocinadores e com a Globo.

O Tribunal de Justiça de São Paulo enviou ofício aos parceiros do clube, para que os mesmos depositem os valores em uma conta judicial.

Assim, a emissora de TV fez o depósito de R$ 1.543.658,35 em junho, referente a direitos de transmissão, e a Ambev, uma das patrocinadoras da equipe paulista, pagou R$ 108.215,52 no último dia 27. 

A quantia ainda é insuficiente para saldar uma dívida de aproximadamente R$ 1,7 milhão.

A empresa B2F Marketing Esportivo recorreu à Justiça, em junho do ano passado, para receber da diretoria corintiana R$ 1.275.307,00 por sua participação nos direitos econômicos do jogador Maycon de Andrade Barberan.

Cria da base alvinegra, o volante sagrou-se campeão paulista e brasileiro (2017) e se transferiu para o Shakhtar Donetsk (UCR) em março de 2018.

Na ação, o juiz Cláudio Pereira França determinou o bloqueio das contas bancárias do Corinthians, mas após varredura em 16 instituições financeiras, encontrou um total de apenas R$ 67 mil entre outubro e novembro do ano passado.

Ele, então, concedeu o pedido da B2F para penhorar 30% do valor total mensal dos créditos com todos os patrocinadores e da venda dos direitos de televisionamento à Globo, além das premiações em dinheiro oriundas da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Federação Paulista de Futebol (FPF).

O desenrolar da ação ainda demorou alguns meses. Em maio deste ano, no entanto, houve nova tentativa de bloquear dinheiro nas contas bancárias da equipe, mas desta vez todas estavam zeradas.

O valor da dívida atualizada com os juros e o acréscimo de 10% referente aos honorários advocatícios era de R$ 1.692 milhão em julho deste ano, segundo planilha de débitos do Tribunal de Justiça.

Últimas notícias