Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Corinthians reduz 25% nos salários dos jogadores

Clube tomou medidas por conta da paralisação dos campeonatos durante a pandemia
01/05/2020 01:00 - Estadão Conteúdo


 

O Corinthians comunicou nesta quinta-feira (30) a redução dos salários do seu elenco profissional em 25%. O corte começa a ter validade em maio e foi tomada em função da crise provocada pela pandemia do coronavírus. De acordo com o clube, a ação foi adotada após reunião entre a diretoria e os jogadores.

"O Sport Club Corinthians Paulista informa que, em virtude da paralisação de atividades e como parte da série de medidas que têm sido adotadas para adequação financeira à nova realidade econômica brasileira neste período para enfrentamento da crise ocasionada pela Covid-19, a Diretoria de Futebol, após reunião com os atletas, decidiu, com o apoio integral e irrestrito do grupo, por uma redução, neste momento, de 25% na remuneração a partir do mês de maio, com base na legislação específica aplicável à categoria. Sensibilizados pelo momento atípico enfrentado em todo mundo, os jogadores estão dispostos a manter aberto o canal de negociação", afirmou o Corinthians em nota oficial.

O clube destaca que espera a evolução da pandemia e seus efeitos para avaliar a continuidade dessa medida e a adoção de outras. "As medidas serão reavaliadas, conjuntamente, de acordo com a perspectiva de retomada dos eventos esportivos com a devida autorização das autoridades públicas de saúde", disse.

A decisão da diretoria do Corinthians afeta o salário registrado na carteira de trabalho, mas não o valor relativo aos direitos de imagem do elenco profissional. Já o corte nos vencimentos da comissão técnica foi de 70%. Atletas das divisões de base e da equipe feminina de futebol ainda não foram atingidos pelas medidas. Na última quarta-feira, o clube havia comunicado a redução dos salários e das jornadas de trabalho dos seus funcionários também em 70%.

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.