Clique aqui e veja as últimas notícias!

FUTEBOL

Sempre bem colocado nos bastidores, coronel Nunes volta à presidência da CBF

A princípio, ele fica por 30 dias na função, o tempo estabelecido para Caboclo permanecer longe da presidência
07/06/2021 08:32 - FOLHAPRESS


Coronel da reserva da Polícia Militar do Pará, Antônio Carlos Nunes, 82, assume pela terceira vez a presidência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). 

Com o afastamento de Rogério Caboclo, acusado de assédio moral e sexual por uma funcionária da entidade, o militar será alçado ao cargo por ser o vice-presidente mais velho entre os oito da confederação.

A princípio, ele fica por 30 dias na função, o tempo estabelecido para Caboclo permanecer longe da presidência. Mas o prazo pode ser estendido.

De fevereiro de 2017 a abril de 2019 ele ficou no cargo mais importante do futebol brasileiro. Entrou após Marco Polo Del Nero ser banido do futebol. Saiu quando Caboclo tomou posse.

Antes disso, já havia ficado 150 dias na função, em 2016, quando Del Nero se licenciou após ser indiciado pela Justiça dos Estados Unidos no caso que ficou conhecido como Fifagate.

Da mesma forma que em suas passagens anteriores pela presidência, coronel Nunes vai mandar pouco.

Últimas notícias

Nos 26 meses de seu mandato tampão (assim como em 2016), ele estava lá para representar os interesses do grupo comandado por Del Neto. 

Desta vez, será a face mais visível de uma administração que estará a cargo de vices mais influentes, como o gaúcho Francisco Novelletto, o presidente da Federação Mineira, Castellar Modesto Guimarães Neto, e o membro do comitê executivo da Fifa, Fernando Sarney.

Nunes fez sua carreira na CBF como um nome conveniente em momentos difíceis. Foi eleito às pressas para a vice há cinco anos para evitar que a presidência fosse ocupada pelo catarinense Delfim Peixoto, 75, opositor de Del Neto. 

O coronel era a escolha ideal por ser mais velho e ter preferência na sucessão. Como se repete agora.

Foi assim também que ganhou o pleito para presidente da Federação Paraense, em 1997. A votação contra Euclides Freitas Filho terminou empatada e a idade era critério para definir o ganhador. Deu Nunes. Ele comandou o futebol paraense por quase 20 anos.