Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BELO HORIZONTE

Cruzeiro é condenado a pagar R$ 2,1 milhões para o volante

Decisão da Justiça de Minas Gerais obriga clube a pagar parcela de rescisão a Bruno Silva
18/04/2020 13:17 - Estadão Conteúdo


 

Em crise financeira, o Cruzeiro tem de lidar com mais um problema para seus cofres. Em decisão da Justiça do Trabalho de Minas Gerais, publicada na sexta-feira, o clube de Belo Horizonte foi condenado a pagar R$ 2.116.183,44 ao volante Bruno Silva, que atualmente defende o Avaí. Em dezembro do ano passado, o jogador processou o time mineiro por conta do atraso no pagamento de parcelas da rescisão de contrato, assinada em janeiro de 2019.

A juíza Daniele Cristina Morello, da 37.ª Vara do Trabalho, em Belo Horizonte, determinou que o valor em atraso das parcelas - o Cruzeiro dividiu o pagamento em 13 vezes, mas pagou sete - fosse pago integralmente. Cada uma das parcelas era de R$ 230 772,93, totalizado o valor de débito em R$ 1.384.637,58. Além disso, o clube foi condenado a pagar 50% do valor restante do distrato, o que alcança R$ 692.318,78.

O Cruzeiro também foi condenado a pagar multas referentes a artigos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), com o montante total do débito chegando a R$ 2,116 milhões. O clube mineiro pode recorrer da decisão.

Bruno Silva foi contratado pelo Cruzeiro em janeiro de 2018, com vínculo até 2020. No contrato, o jogador receberia um valor inicial de salário válido para a primeira temporada. Entretanto, o clube decidiu romper o contrato no início de 2019, acertando o pagamento de verbas rescisórias de R$ 3.016.775,26 em 13 parcelas.

Natural de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, Bruno Silva, de 33 anos, começou na base do Villa Nova-MG e acumula passagens na carreira por Ipatinga-MG, Uberaba-MG, Social-MG, Valeriodoce-MG,

Avaí, Ponte Preta, Atlético-PR, Chapecoense, Botafogo, Cruzeiro, Bahia e Fluminense. Em 2020, vestiu a camisa do clube de Florianópolis e disputou seis partidas antes da paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus.

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.