Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASILEIRÃO

Cruzeiro paga dívida e evita perda de pontos na Série B

Clube pagou a dívida da compra do atacante Willian, em 2014, de 1,75 milhão de euros
29/05/2020 02:00 - Estadão Conteúdo


 

Eleito há uma semana e com posse prevista para segunda-feira (31), Sérgio Santos Rodrigues, o novo presidente do Cruzeiro já tomou uma atitude relevante nesta quinta-feira. O clube mineiro pagou a dívida da compra do atacante Willian, em 2014, de 1,75 milhão de euros (cerca de R$ 10,5 milhões), junto ao Zorya, da Ucrânia.

O Cruzeiro tinha até sexta-feira para quitar a pendência, pois corria o risco de ser punido com a perda de seis pontos na disputa da Série B do Campeonato Brasileiro, caso não fizesse o pagamento. O clube sofreu punição semelhante na semana passada, por não ter quitado o empréstimo do volante Denílson. O clube deixou de pagar R$ 5 milhões, aproximadamente, ao Al-Wahda, dos Emirados Árabes.

O dinheiro foi obtido com a ajuda do patrocinador master do clube, em troca de ações da parceria e também da ampliação do contrato até o fim de 2021. "Minha obrigação como presidente do Cruzeiro, eleito, é buscar soluções para que isso ocorra. Então, a TED dos funcionários foi feita junto com a TED do Zorya, e a dívida da Fifa já está paga, e o Cruzeiro não vai ter problema com perda de pontos mais", disse o presidente eleito, em uma live.

"O dinheiro que veio para pagar isso decorre de uma parceria, não é uma doação. O Pedro (Lourenço) entendeu, assim como outros parceiros que faremos anúncios breves, entenderam, que o novo Cruzeiro a gente faz parceria com as pessoas", afirmou o dirigente.

O Cruzeiro ainda tem mais processos pendentes na Fifa. Um é do Defensor, pela compra do meia uruguaio Arrascaeta, e outro do Independiente del Valle, pela contratação de Kunty Caicedo.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.