Esportes

CARTÃO VERMELHO

Em nota, Acems cobra mudanças na "federação do combalido futebol de MS"

Associação de cronistas esportivos cobra uma investigação mais detalhada e cita que o futebol de Mato Grosso do Sul está vivendo uma das crises jamais vistas.

Continue lendo...

A Associação de Cronistas Esportivos de Mato Grosso do Sul (Acems) divulgou na tarde de hoje (22) uma nota à imprensa cobrando mudanças na Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS). Na tarde de ontem (21), a operação 'Cartão Vermelho', deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), resultou na prisão do presidente Francisco Cezário de Oliveira, 77 anos, que comanda a entidade há 26 anos. 

A carta aberta é assinada pelo presidente da Acems, José Antonio Coca, e pelo vice-presidente Thiago Lopes de Faria. A nota começa citando que a operação revelou à sociedade o maior escândalo de corrupção na história do futebol sul-mato-grossense.

Ainda de acordo com a nota, a Acems sai em defesa da investigação e cobra uma apuração mais detalhada, como forma de passar limpo o "combalido futebol profissional de Mato Grosso do Sul"

Além de Francisco Cezário, a operação investiga mais seis pessoas, que inclui dirigentes da federação, hotéis e barbearias no interior do estado.  

Acompanhe o posicionamento da Acems: 

Associação de Cronistas Esportivos de Mato Grosso do Sul acompanha os desdobramentos da operação cartão vermelho do Ministério Público Estadual, através do Gaeco - Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado que trouxe à tona o maior escândalo de corrupção da história do nosso futebol, com prisões e cumprimentos de mandados de busca e apreensões.

Entendemos que todas as pessoas presas e denunciadas têm amplo direito à defesa, mas é necessário que apoiemos as investigações como forma de passar a limpo o combalido futebol profissional de Mato Grosso do Sul, que hoje é um dos piores no ranking da CBF. 

O Ministério Público Estadual e a justiça estão fazendo a sua parte, mas as pessoas de bem que militam no esporte, também precisam reagir, não apenas com indignação, mas cobrando firmemente mudanças no comando da FFMS Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul - que está praticamente acéfala e vivendo uma crise jamais vista.

É necessário que a CBF e a justiça desportiva, atuem para que as coisas realmente mudem, para o bem do nosso futebol. é hora de agir porque existem competições em andamento, outras perto de iniciar e, mais do que isso, cada dia perdido pode não ser recuperado.


José Antonio Coca - Presidente da ACEMS                                                    
Thiago Lopes de Faria Vice-presidente da ACEMS


De acordo com o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS), a operação tem como objetivo desmantelar uma organização criminosa que usava as instalações da Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul para desviar valores vindo de convênios com  Estado de Mato Grosso do Sul e repassados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 


Operação Cartão Vermelho 

Repressão ao Crime Organizado), prendeu o presidente da FFMS e outras quatro pessoas: Umberto Alves Pereira (TV FFMS), Francisco Carlos Pereira (também flagrado com arma), Valdir Alves Pereira e Marcelo Gustavo.

Conforme dados da investigação, Francisco Carlos Pereira, Valdir Alves Pereira e Umberto Alves Pereira são os sobrinhos de Cezário que estão sendo investigados. Outro preso durante a operação na manhã de hoje foi o filho de Umberto. O nome dele não foi divulgado, mas ele era responsável pelo setor financeiro.

Segundo informações do Gaeco, entre setembro de 2018 e fevereiro de 2023, a investigação levantou que a FFMS desviou mais de R$6 milhões. Cezário foi eleito no ano passado e comandaria a entidade até 2027. Atualmente, está em seu sétimo mandato como presidente da federação.

Diante das informações, os agentes do Gaeco cumpriram 7 mandados de prisão preventiva e 14 mandados de busca e apreensão nos municípios de Campo Grande, Dourados e Três Lagoas.

Além de Cezário, o nome de Jamiro Rodrigues de Oliveira, vice-presidente da FFMS; Marco Antônio Tavares, vice-presidente e coordenador de competições da federação, que também consta como presidente da Federação de Tênis de Mesa; Aparecido Alves Pereira, delegado de jogos da FFMS; Rudson Bogarim Barbosa, que em publicação do site da entidade em 2022 constava como gerente da TI da FFMS, foram todos localizados pelo Gaeco para dar explicações.


Investigação

De acordo com as investigações, uma das formas de desvio de dinheiro era realizada em saques em espécie de contas bancárias da Federação de Futebol, em valores não superiores a R$ 5 mil, para não alertar os órgãos de controle.

Ainda conforme dados do Gaeco, os integrantes da organização criminosa realizaram mais de 1.200 saques, que ultrapassaram R$ 3 milhões. O dinheiro desviado era dividido entre os integrantes do esquema.


Cesário é preso após 26 anos na frente da Federação


Conhecido pela longevidade no comando de uma federação de futebol no país, Cezário foi, por 26 anos, o "dono da bola" ou "imperador do futebol de MS". Ele está em seu sétimo mandato e ficaria no comando até 2027. A última eleição aconteceu em 2022 e foi marcada por briga na justiça, finalizando com a vitória de Francisco Cezário.
 

Discriminação racial

Acordo evita prisão de torcedores condenados por racismo contra Vinicius Jr.

Ofensas ocorreram durante o jogo do Real Madrid contra o Valencia, em maio do ano passado

12/06/2024 23h00

Viniciu Jr. em ato antiracista durante jogo

Viniciu Jr. em ato antiracista durante jogo

Continue Lendo...

Os três torcedores do Valencia, condenados por insultos racistas contra o jogador brasileiro Vinicius Junior, não irão para a prisão. Condenados pela Justiça espanhola, eles se beneficiarão de uma disposição da lei espanhola que permite o cumprimento da pena em liberdade para réus primários com penas inferiores a dois anos.

Apesar da vontade da La Liga, entidade organizadora dos campeonatos de futebol na Espanha, de ver uma punição mais severa, o acordo foi aceito para evitar que o caso fosse a julgamento. O incidente ocorreu durante o jogo do Real Madrid contra o Valencia, em 21 de maio do ano passado, e inicialmente foi levado à Justiça sob o artigo 510 do Código Penal espanhol, que trata de crimes de ódio. Uma condenação sob esse artigo poderia resultar em penas de um a quatro anos de prisão.

Para evitar o risco de prisão, os advogados dos réus propuseram que eles fossem enquadrados no artigo 173.1 do Código Penal, que aborda delitos contra a integridade moral e prevê penas de seis meses a dois anos. O acordo foi aceito por todas as partes envolvidas, incluindo La Liga, Vinicius Júnior, a Real Federação Espanhola de Futebol e o Real Madrid. Embora La Liga argumentasse que uma condenação por delito de ódio seria mais justa, a decisão foi tomada com base no reconhecimento do crime pelos réus e seu pedido de desculpas.

A pena inicial de um ano foi reduzida para oito meses devido aos atenuantes, e será cumprida em liberdade. Além disso, os torcedores estão banidos de estádios de futebol por dois anos e, daqui para frente, não serão mais considerados réus primários.

Desde 2020, La Liga levou à Justiça 35 casos de racismo ou homofobia nos estádios, sendo 20 deles envolvendo Vinicius Júnior. A condenação recente é histórica, marcando a primeira vez que um caso de racismo é punido pela Justiça na Espanha.

*Com informações de Folhapress

Esportes

"Com 4 votos a 3, TJD absolve Petrallás, que permanece na presidência da federação

O julgamento aconteceu na Câmara Municipal de Campo Grande. A defesa do acusado tem até três dias para recorrer da decisão ao Supremo Tribunal de Justiça Desportiva.

12/06/2024 15h35

Estevão Petrallás foi nomeado cmo gestor interino da FFMS, pela Confederação Brasileira de Futebol

Estevão Petrallás foi nomeado cmo gestor interino da FFMS, pela Confederação Brasileira de Futebol Fotos: Gerson Oliveira

Continue Lendo...

Na noite de ontem (11), o Tribunal de Justiça Desportiva de Mato Grosso do Sul (TJD-MS) decidiu, por uma margem apertada, sobre as irregularidades na gestão de Estevão Petrallás entre 2016 e 2018, mantendo-o no cargo de presidente interino da federação de futebol (FFMS). O placar foi de 4 a 3, com o desempate realizado pelo presidente do Tribunal, Patrick Hernandes.

O julgamento aconteceu na Câmara Municipal de Campo Grande e foi bastante acalorado, com muitas discussões entre o denunciante e o acusado.

Após os relatores apresentarem seus votos, o advogado do Comercial, Reinaldo Leão, alegou que Petrallás não poderia ter sido indicado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) devido a irregularidades nas prestações de contas da Liga de Futebol Profissional de Mato Grosso do Sul, durante o período em que o atual gestor interino era presidente. 

É importante lembrar que em 2016, a Justiça condenou a Liga de Futebol Profissional, então presidida por Estevão Petrallás, ao pagamento de R$40 mil. Atualmente, o valor da condenação ultrapassa R$131 mil.

Conforme o Art. 67 da Lei nº 14.597 (Lei Geral do Esporte), a denúncia solicitava o afastamento imediato de Petrallás da federação, mencionando sua inelegibilidade.

Depois que o caso veio à tona, o advogado de defesa, Rafael Meirelles, pediu o arquivamento do caso e a manutenção de Estevão à frente da FFMS, frisando que o processo é exclusivamente contra a Liga de Futebol.


A votação …. 

Após as defesas apresentarem seus argumentos, deu-se início à votação, com a presença de sete auditores na mesa, em sessão híbrida.

O primeiro a votar foi o relator da mesa, que se declarou contrário à medida da Procuradoria Geral. Na sequência, Marcelo Carriel seguiu o relator e afirmou que também não poderia ser favorável.

A única mulher na mesa, a auditora Celina de Mello e Dantas Guimarães, foi a primeira a concordar com a denúncia e se opor ao relator. O auditor Munir Yusef acompanhou a colega, assim como Valessa Silvério, resultando até então em 3 a 2 contra Estevão.

Seguindo a votação, o auditor Leonardo Ros Ortiz empatou o placar, deixando para o presidente do Tribunal o desempate.

Em seu momento de fala, Patrick Hernandes decidiu se posicionar contra a medida da Procuradoria Geral, fechando os votos em 4 a 3 a favor de Petrallás.

A decisão foi muito comemorada pelo presidente interino da federação, que permanecerá no comando da federação de futebol pelos próximos 90 dias. O autor da denúncia, o Esporte Clube Comercial, tem até três dias para recorrer ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). 

 

 Assine o Correio do Estado  

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).