Clique aqui e veja as últimas notícias!

SPFC

Diniz diz não temer demissão: 'Não trabalho pensando em segurar emprego'

O técnico do São Paulo declarou que 'Não trabalho pensando em segurar emprego' após sofrer goleada no Morumbi
21/01/2021 11:13 - Estadão Conteúdo


Quem trabalha com devoção, não trabalha pensando em segurar emprego", afirmou, em entrevista coletiva.

Antes líder com boa vantagem no Campeonato Brasileiro, o São Paulo vem em queda brusca na temporada, tendo sido eliminado da Copa do Brasil e completado uma série de cinco jogos sem vitórias com a derrota por 5 a 1 para o Internacional, na noite desta quarta-feira, no Morumbi, a pior da história do clube no estádio. 

Agora também sem a ponta da competição, o técnico Fernando Diniz garante que não teme ser demitido após tantos resultados ruins.

"Já respondi muitas vezes essa pergunta em momentos de pressão. Não tenho medo de perder emprego, eu amo meu trabalho, trabalho com toda dedicação para conquistar título aqui no São Paulo. 

Diniz, porém, fez questão de assumir a responsabilidade pela dura derrota desta quarta-feira e pelo rendimento ruim nos últimos compromissos. 

Mas buscou adotar um discurso otimista ao declarar que acredita na recuperação da equipe na reta final da competição e na conquista do título brasileiro.

"Eu sempre me senti apoiado aqui, pela diretoria que saiu e por essa que entrou. Se eu carrego algum tipo de culpa e responsabilidade, a maior responsabilidade é minha. A maior responsabilidade por uma derrota como essa, pela queda, é minha", disse.

"Eu trabalho naquilo que posso, naquilo que consigo, e acredito que vamos conseguir reverter isso, voltar a subir no campeonato", acrescentou.

Ainda sem vencer em 2021, o São Paulo ocupa o segundo lugar no Brasileirão, com 57 pontos somados em 31 jogos. 

O time tentará se reabilitar no próximo sábado, quando receberá o Coritiba, no Morumbi, pela 32.ª rodada, às 19 horas.

 

O Jogo: 

Inter massacra o São Paulo no Morumbi e assume a liderança do Brasileirão.

Vertiginosa queda do São Paulo no Campeonato Brasileiro foi sacramentada nesta quarta-feira de maneira humilhante. 

A equipe perdeu a liderança ao ser goleada impiedosamente em pleno Morumbi por 5 a 1 pelo Internacional. 

O time gaúcho chegou aos 59 pontos ao vencer pela sétima vez seguida. O clube paulista, há quatro jogos sem ganhar, tem 57. 

E a situação de Fernando Diniz pode se complicar.

A derrota acachapante é consequência da imposição de um time prático e confiante sobre outro destroçado emocionalmente, perdido taticamente, desorganizado, apático e que parece ter "tremido" com a possibilidade de ser campeão. 

Fernando Diniz dá mostras de não saber o que fazer. E em campo, até jogadores mais experientes, como Daniel Alves, nada produzem de útil já há algum tempo.

Na última quarta-feira, o Internacional deixou claro no início que não iria se intimidar com o São Paulo. 

Ao contrário, procuraria explorar o fato de o adversário estar sob pressão. E foi para frente!

Em quatro minutos teve chances com Yuri Alberto e Cuesta, e quatro minutos depois abriu o placar. 

O gol saiu após uma falha incrível da defesa são-paulina em uma cobrança de falta. Moisés levantou na área e Cuesta, livre, cabeceou para as redes.

A desvantagem fez aflorar o descontrole emocional em alguns jogadores do São Paulo, como Reinaldo, e a apatia da maioria deles, até em gente experiente como Daniel Alves. 

O time de Fernando Diniz só tentava chutar de longe. Não articulava jogadas.

Com o meio de campo povoado com cinco jogadores, boa movimentação, e jogo vertical, o Internacional tomou conta do duelo. 

E chegou ao segundo gol aos 23, em uma bola que saiu do goleiro Lomba, em nova falha da defesa tricolor. 

Yuri Alberto tocou para Caio em diagonal, Leo e Reinaldo vacilaram e o meia tocou na saída de Volpi.

Com os 2 a 0, o São Paulo passou a tentar jogar. 

O Internacional continuou superior, criando boas chances - por várias vezes o jogador do time gaúcho foi travado na hora do chute. 

Mas os donos da casa também chegavam, ainda que poucas vezes - a etapa terminaria com 11 conclusões do Inter e 5 do São Paulo -, à área adversária.

Aos 38 minutos aconteceu o lance que recolocou o São Paulo no jogo. 

Cuesta cedeu um escanteio bobo, na cobrança Reinaldo desviou na primeira trave e Luciano, de volta ao time recuperado de contusão, cabeceou para diminuir.

O gol não escondeu o mau desempenho do time na primeira etapa, fato reconhecido por Luciano. 

"Tudo que falamos antes de começar a partida, fizemos o contrário. Ficamos acuados, não sei o que aconteceu. Creio que a vibração é mais para colocar o time dentro jogo de novo", disse.

No segundo tempo, o São Paulo até tentou entrar no jogo. 

Diniz mexeu na equipe, recorrendo a algo que já havia feito outras vezes. Tirou um zagueiro, Léo, recuou Luan para a zaga, colocou Vito Bueno e reposicionou Tchê Tchê e Daniel Alves. 

Também colocou Igor Gomes no lugar de Gabriel Sara.

O São Paulo passou a jogar com a disposição necessária. Passou a atacar o Inter - que passou a marcar mais recuado, até para evitar o desgaste - e criou oportunidades com Reinaldo, Tchê Tchê e Vitor Bueno.

No entanto, novo erro na saída de bola esfriou o ânimo do time tricolor. 

Vitor Bueno foi desarmado e na sequência Yuri Alberto entrou na cara de Volpi e fez 3 a 1, aos 14 minutos.

Aí o São Paulo desabou técnica e emocionalmente. 

Yuri marcou mais duas vezes, aos 20 e aos 22, e a partir daí o Inter passou a se poupar para o clássico do domingo com o Grêmio. 

Já o São Paulo mostrou de novo por que há cinco rodadas estava 7 pontos à frente e agora ficou 2 atrás do Inter.


FICHA TÉCNICA:

 

SÃO PAULO 1 x 5 INTERNACIONAL

SÃO PAULO - Volpi; Juanfran (Bóia), Bruno Alves, Léo (Vitor Bueno) e Reinaldo; Luan, Daniel Alves, Tchê Tchê (Diego) e Sara (Igor Bueno); Luciano (Carneiro) e Brenner. Técnico: Fernando Diniz.

INTERNACIONAL - Lomba; Rodinei, Lucas Ribeiro, Cuesta (Zé Gabriel) e Moisés; Rodrigo Dourado (Johnny), Edenílson, Praxedes (Lindoso), Caio (Peglow) e Patrick; Yuri Alberto (Leandro Fernández). Técnico: Abel Braga.

GOLS - Cuesta, aos 8, Caio, aos 23, e Luciano, aos 35 minutos do primeiro tempo. Yuri Alberto, aos 14, 20 e 22 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Marcelo de Lima Henrique (RJ).

CARTÕES AMARELOS - Caio, Brenner e Bruno Alves.LOCAL - 

Morumbi, em São Paulo (SP).