Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AUTOMOBILISMO

FIA aprova redução de teto orçamentário para a Fórmula 1

Objetivo é equilibrar as forças no campeonato e diminuir os custos da categoria
27/05/2020 23:00 - Estadão Conteúdo


O Conselho Mundial da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) aprovou nesta quarta-feira, em reunião virtual, a redução do teto orçamentário da Fórmula 1. O objetivo da entidade é equilibrar as forças no campeonato e diminuir os custos da categoria, principalmente depois dos prejuízos causados pela pandemia do novo coronavírus.

A queda do teto passará a ter efeito em 2021. Vai cair de US$ 175 milhões (cerca de R$ 944 milhões) para US$ 145 milhões (R$ 782 milhões) na próxima temporada. A redução prosseguirá para os anos seguintes: em 2022 será de US$ 140 milhões (R$ 739 milhões) em 2022 e, entre 2023 e 2025, será de US$ 135 milhões (R$ 713 milhões).

"A Fórmula 1 ganhou hoje. Este é um momento crucial para o nosso esporte. A F-1 se tornou insustentável do ponto de vista financeiro por algum tempo. E a falta de ação teria colocado em risco o futuro da F-1 e dos seus participantes", declarou o executivo da McLaren, Zak Brown.

A FIA também tomou outras decisões com o objetivo de reequilibrar o campeonato. Para tanto, aprovou uma nova escala de desenvolvimento da parte aerodinâmica dos carros. Pelo novo sistema, a ser estreado em 2021, as equipes que terminaram a competição nas piores posições do Mundial de Construtores terão direito a mais tempo nos testes do túnel de vento.

Com esta decisão, a FIA espera reduzir a diferença entre os grandes times e as equipes menores, que teriam mais tempo para desenvolver a pressão aerodinâmica dos seus carros.

Neste aspecto, outro item aprovado pelo Conselho Mundial da FIA nesta quarta foi justamente impor um limite para a pressão aerodinâmica dos futuros carros da F-1. A entidade decidiu congelar o desenvolvimento do chassi e da suspensão entre as temporadas 2020 e 2021.

Desta forma, as equipes terão que reduzir parte do assoalho para o próximo ano, o que vai dispensar o desenvolvimento de novos pneus por parte do fornecedor da F-1.

 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...