Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

'ME DECEPCIONOU''

Maradona renuncia a embaixador da Fifa e critica Infantino

Suíço que comanda a Federação de Futebol deu apoio a Mauricio Macri, ex-presidente argentino
26/07/2020 04:00 - Estadão Conteúdo


O astro argentino Diego Maradona afirmou neste sábado (25), em entrevista ao canal argentino C5N, que renuncia ao cargo de embaixador da Fifa. A declaração do ex-camisa 10 veio em reação ao respaldo dado na semana passada pelo mandatário da entidade máxima do futebol, o suíço Gianni Infantino, a Mauricio Macri, ex-presidente do país vizinho.

"Infantino me decepcionou com o prêmio dado a Macri. Um prêmio a quê? Um tapa na bunda era o que ele merecia", declarou o maior ídolo da seleção alviceleste. "É simples. Macri tem que ir para a prisão. Ele roubou tudo e não deixou nenhum peso para o Estado nacional", disparou o atual treinador do Gimnasia La Plata.

No início do ano, Infantino havia indicado Macri como presidente da Fundação Fifa, uma entidade independente criada para fomentar ações sociais ligadas ao futebol. Na semana passada, o dirigente suíço voltou a apoiar o ex-chefe de Estado argentino após críticas a Macri pelo fato de ele ter viajado ao Paraguai em meio à pandemia.

"Voltaram (Michel) Platini, (Joseph) Blatter, as águas se acalmaram e repartiram todo o dinheiro entre eles. Ninguém devolveu nada. Então renuncio à Fifa", completou Maradona, fazendo referência aos ex-dirigentes investigados por corrupção

Maradona havia feito as pazes com a Fifa justamente após a chegada de Infantino. Em 2016, foi eleito para dois cargos honorários: embaixador e capitão da seleção de Lendas da entidade máxima do futebol. "Agora sim, posso cumprir um dos sonhos da minha vida, que é trabalhar para uma Fifa limpa e transparente", havia declarado o ídolo argentino na época.


 

 
 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.