Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OLIMPÍADAS

Nadador João Gomes contrai Covid-19 e é cortado de viagem

Ele estava na delegação brasileira que viaja na sexta para um período de treinos em Portugal
16/07/2020 01:00 - Estadão Conteúdo


O clube Pinheiros confirmou nesta quarta-feira que o nadador João Gomes Junior testou positivo para a Covid-19 e foi cortado da delegação brasileira que viaja na sexta para um período de treinos em Portugal. A princípio, ele não será substituído por outros integrantes da seleção de natação.

Medalhista em Mundiais de piscina curta e longa, o especialista no nado peito integrava o grupo de 74 atletas de diferentes modalidades que foram convocados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) para a primeira etapa da chamada "Missão Europa", um esforço da entidade para manter os atletas brasileiros em atividade em meio à pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o clube onde treina, João decidiu fazer exame particular na segunda-feira após apresentar sintomas leves, como perda de olfato e paladar. O resultado foi positivo e ele notificou tanto o Pinheiros quanto a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos.

Com o teste positivo, o nadador foi automaticamente excluído da viagem porque, na parceria entre o COB e o comitê português, todos precisam apresentar resultado negativo tanto para embarcar quanto para entrar no país europeu. Chegando lá, cada atleta fará novos exames e ficará em quarentena de 48 horas até a apresentação do resultado.

A partir de agora, João será mantido em quarentena no Brasil. Finalizado o período de 14 dias, ele passará por novos exames. Se confirmado o resultado negativo, ele estará em condições de embarcar em nova leva de atletas para Portugal, no dia 9 de agosto.

 
 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.