Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORINTHIANS

Negociações com Jô estão 70% adiantadas, diz Andrés Sanchez

Atacante brasileiro atualmente se encontra no Nagoya Grampus, do Japão
12/06/2020 16:15 - Estadão Conteúdo


 

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, afirmou, na última quinta-feira (11), que as negociações com Jô estão adiantadas em 70%. Segundo Andrés, o atacante quer retornar e está em constante conversa com a diretoria alvinegra.

"Sobre o Jô, vamos conversar mais para frente. Tem grandes chances de vir, até porque ele quer. Quando jogador quer, já é 70% do caminho andado", disse o presidente, em transmissão ao vivo com o ídolo do Corinthians Basílio.

A liberação de Vagner Love, para o CSKA Moscou, da Rússia, aumentou ainda mais as especulações em torno da negociação do atacante brasileiro, que atualmente se encontra no Nagoya Grampus, do Japão.

Outro nome que perambula pelos bastidores de Itaquera é o do atacante Romarinho. Andrés explicou que a repatriação do xodó da torcida corintiana é bem mais complexa e não está em cogitação no momento.

"Vou falar aqui. Eu falei com o Romarinho ontem (quarta-feira), mas Romarinho tem propostas de fora e não está nos planos do Corinthians neste momento. É um grande jogador, um grande corintiano", explicou o presidente.

Ao falar sobre possíveis contratações oriundas da China, Andrés afirmou que o clube está de portas abertas, mas que não fará nenhuma loucura financeira que coloque em risco a saúde econômica da equipe, que já não anda bem das pernas.

"Estamos de portas abertas, mas 10% do salário que ganham lá já é inviável para qualquer clube brasileiro. Corinthians tem um teto e não vai passar desse teto", concluiu

 

Felpuda


Nos bastidores, há quem garanta que a única salvação, de quem está com a corda no pescoço, é ele aceitar ser candidato a vice-prefeito em chapa de novato no partido. Vale dizer que isso nunca teria passado por sua cabeça, uma vez que foi eleito com, digamos, “caminhão de votos”. Se aceitar a imposição, pisaria na tábua de salvação; se recusar, poderá perder o mandato. Ah, o poder!