Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

FUTEBOL

Neymar e zagueiro Marquinhos estão entre os 23 da seleção da Liga dos Campeões

Thiago Alcântara, que defende o Bayern de Munique e a Seleção Espanhola, também entrou na lista da Uefa
28/08/2020 22:00 - Agência Brasil


Os brasileiros Neymar e Marquinhos, do Paris Saint-Germain (PSG), e Thiago Alcântara, do Bayern de Munique, estão na lista de 23 jogadores da seleção da União das Associações de Futebol da Europa (Uefa,na sigla em inglês).

A lista foi anunciada nesta sexta-feira (28) pela entidade, na Suiça. O Bayern de Munique, hexacampeão da Champions League, se destacou com maior número de jogadores - ao todo nove -, só Boateng e Coman, entre os titulares, não estão relacionados.  

Além da dupla brasileira Neymar e Marquinhos do vice-campeão PSG, o time francês é representado também por Mbappé. O RB Leipzig também têm três jogadores na lista: Dayot Upamecano, Marcel Sabitzer e Angeliño.

A relação é formulada por um grupo de observadores técnicos da Uefa formado por Packie Bonner, Cosmin Contra (técnico da Romênia), Aitor Karanka (treinador do Birmingham), Roberto Martínez (técnico da Bélgica), Ginés Meléndez, Phil Neville, Willi Ruttensteiner e Gareth Southgate (treinador da Inglaterra).

Seleção da Champions em 2019/20

Goleiros: Manuel Neuer (Bayern), Jan Oblak (Atlético de Madrid) e Anthony Lopes (Lyon).

Defensores: Alphonso Davies (Bayern), Joshua Kimmich (Bayern), Virgil van Dijk (Liverpool), Dayot Upamecano (RB Leipzig), Angeliño (Man. City/RB Leipzig) e David Alaba (Bayern)

Meio-campistas: Thiago Alcântara (Bayern), Kevin De Bruyne (Man. City), Houssem Aouar (Lyon), Leon Goretzka (Bayern), Marcel Sabitzer (RB Leipzig), Marquinhos (PSG), Alejandro Gómez (Atalanta) e Thomas Müller (Bayern).

Atacantes: Serge Gnabry (Bayern), Robert Lewandowski (Bayern), Kylian Mbappé (PSG), Neymar (PSG), Lionel Messi (Barcelona) e Raheem Sterling (Man. City).

 
 

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!