Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRAQUE

Neymar sente dores e pode desfalcar seleção no jogo contra a Bolívia

Tite dá indícios de que pode optar pela entrada do flamenguista Éverton Ribeiro
08/10/2020 19:01 - Agência Brasil


O atacante Neymar não tem presença garantida na estreia do Brasil nas eliminatórias da Copa do Mundo do Catar, na próxima sexta-feira (9) contra a Bolívia, por conta de dores na região lombar, informou a comissão técnica da seleção brasileira.

O jogador sentiu dores durante treino no centro de treinamento da equipe na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), na última quarta-feira (7), antes da viagem da equipe para São Paulo, local da partida contra os bolivianos.

Neymar iniciou tratamento intensivo, mas a viagem atrapalhou o trabalho da equipe médica. “Ele não conseguiu treinar, relatou dores na região lombar, sem trauma, durante o aquecimento”, disse o médico da seleção brasileira Rodrigo Lasmar.

“Ele teve uma pequena melhora da dor mais intensa. Tivemos deslocamento e isso dificultou um pouco o tratamento”, adicionou.

O técnico Tite deve optar pelo meia Éverton Ribeiro caso Neymar não tenha condições de jogo. “Éverton é um articulador, da construção, um jogador que pensa a última bola, e também um finalizador de média distância”, afirmou Tite.

O treinador surpreendeu ao anunciar a presença do meia Douglas Luiz no possível time titular contra a Bolívia. A expectativa era de que a vaga ficasse com Bruno Guimarães.

O Brasil deve iniciar a partida em São Paulo com a Bolívia com a seguinte escalação: Weverton; Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Renan Lodi; Casemiro, Douglas Luiz e Coutinho; Everton Cebolinha, Firmino e Neymar (Éverton Ribeiro).

Na próxima semana o Brasil enfrenta o Peru, em Lima, pela segunda rodada das eliminatórias para a Copa do Catar.

 
 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.