Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FUTEBOL 2019

Polícia cumpre mandados de busca e apreensão no Cruzeiro e na casa de dirigentes

Clube diz apoiar investigações por meio de nota
09/07/2019 10:38 - ESTADÃO CONTEÚDO


 

Dois dias antes de o Cruzeiro enfrentar o Atlético-MG no clássico válido pelo confronto de ida das quartas de final da Copa do Brasil, no Mineirão, a sede do clube no bairro Barro Preto, em Belo Horizonte, foi palco de uma operação policial na manhã desta terça-feira. A Polícia Civil de Minas Gerais cumpriu no local mandados de busca e apreensão, o que também ocorreu nos centros de treinamento dos profissionais e das categorias de base do clube, a Toca da Raposa e Toquinha, e ainda nas residências do presidente Wagner Pires de Sá, de Itair Machado, vice-presidente de futebol, e Sérgio Nonato, diretor geral do Cruzeiro.

O cumprimento destes mandados é um novo passo da operação policial que investiga membros da diretoria do clube, acusado de falsificação de documentos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Esta operação foi denominada Primeiro Tempo e é realizada pela Divisão Especializada de Investigação a Fraudes da Polícia Civil de MG, que prometeu emitir um comunicado nesta terça-feira para esclarecer as diligências. 

A investigação começou após uma reportagem veiculada pelo programa Fantástico, da TV Globo, no final de maio, revelar denúncias de irregularidades na atual administração do Cruzeiro. Entre as denúncias estão a venda no ano passado de parte dos direitos econômicos de Estevão William, chamado de "Messinho", então com 11 anos, para pagar uma dívida de R$ 2 milhões com o empresário Cristiano Richard. A Lei Pelé e o Estatuto da Criança e do Adolescente proíbem menores de 12 anos de possuírem contratos empregatícios.

Para quitar o débito com Cristiano Richard, o Cruzeiro, segundo apurou um inquérito da Polícia Civil, incluiu parte dos direitos de jogadores do profissional, como Raniel e Murilo, ambos já vendidos pelo clube, além de Cacá, David e de outros atletas que passaram pela base cruzeirense e acabaram sendo negociados, como por exemplo Gabriel Brazão e Vitinho.

A reportagem veiculada pela TV Globo em maio também apontou irregularidades em transações e valores superfaturados pagos pelo Cruzeiro para empresas prestadoras de serviço. A Polícia Civil já interrogou 15 pessoas que mantinham relações com o clube, entre as quais funcionários, ex-empregados, dirigentes e agentes esportivos.

Para completar, a Polícia Civil investiga os aumentos expressivos dos valores nos salários de dirigentes, como Itair Machado e Sérgio Nonato, a contratação de conselheiros para prestação de serviços e pagamentos feitos às torcidas organizadas.

Em meio a este escândalo, o Cruzeiro viu a sua dívida geral subir de R$ 384 milhões em 2017 para R$ 520 milhões em 2018 e ainda não teve o seu balanço financeiro do ano passado aprovado pelo Conselho Fiscal do clube.

CRUZEIRO DIZ APOIAR INVESTIGAÇÃO - Após a deflagração dos mandados de busca e apreensão realizados na manhã desta terça-feira, a diretoria do Cruzeiro divulgou uma nota oficial na qual disse vir a público para "manifestar seu apoio às apurações das denúncias feitas pelo programa Fantástico, da Rede Globo, no dia 26 de maio passado".

"O clube informa que entregou às autoridades toda a documentação solicitada para a investigação. Lamentamos apenas que este fato esteja acontecendo exatamente às vésperas de uma decisão importante na Copa do Brasil. O Cruzeiro Esporte Clube informa que continuará à disposição das autoridades competentes para quaisquer tipos de outros esclarecimentos necessários", completa a nota.

Atual bicampeão da Copa do Brasil, com os títulos obtidos em 2017 e 2018, o Cruzeiro enfrenta o arquirrival Atlético-MG às 19h (de MS) desta quinta-feira, no Mineirão, no duelo de ida das quartas de final desta edição da competição. O confronto de volta do mata-mata será no próximo dia 17, no estádio Independência, em Belo Horizonte.

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.