Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LUTO

Presidente do Comercial morre vítima do coronavírus nesta segunda em MS

Valter Mangini estava internado há dias em hospital particular mas não resistiu
28/09/2020 11:14 - Carol Alencar Cozzatti


Morreu na manhã desta segunda-feira (28) o presidente do Esporte Clube  Comercial-MS, Valter Mangini de Barros, 62 anos, que estava internado há dias por conta do coronavírus.

Segundo nota oficial do clube, Mangin estava internado em um hospital particular em Campo Grande e teve algumas complicações de saúde decorrente da Covid e não resistiu.

Valter foi um torcedor fervoroso do clube desde jovem e em 2007 se aproximou da diretoria ao patrocinar a volta do clube a Série A, após o período que o Comercial ficou afastado das competições.

Junto com ex-presidente Carlos Alberto de Assis foi responsável pelo título de 2010, que deu direito a Copa do Brasil e deu seguimento com patrocínios nos demais anos até chegar a presidência em 2016. Com bons elencos levou o clube a segunda fase do Brasileiro da Série D em 2017, fato inédito ao clube.

Apaixonado por esporte, Valter foi presidente da Associação dos Torcedores Amigos do Comercial (ATAC) e também chegou a patrocinar o Naviraiense por um período.

A esse grande desportista comercialino, diretoria, torcedores prestam essa homenagem e deixam registrado o nosso muito obrigado ao seu Valter Mangini de Barros por todos esses anos de serviços prestados ao clube e deixam os mais sinceros sentimentos aos familiares e amigos.

No Instagram, o Operário Futebol Clube lamentou o falecimento dizendo que 'Mangini foi um presidente que entendeu que rivalidade é diferente de inimizade , e entendia que Operário e Comerical precisavam crescer juntos, mesmo sendo adversários”.

 
 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!