Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VELOCIDADE

Sato segura Dixon e conquista a segunda vitória nas 500 Milhas de Indianápolis

Ex-piloto da Fórmula 1, Takuma Sato brilhou com a equipe Rahal Letterman Lanigan Racing
23/08/2020 22:00 - Estadão Conteúdo


Ex-piloto da Fórmula 1, Takuma Sato brilhou neste domingo e venceu as 500 Milhas de Indianápolis de 2020 com a equipe Rahal Letterman Lanigan Racing. 

Foi o segundo triunfo do japonês na prova norte-americana, já vencida pelo competidor em 2017.

O segundo colocado foi Scott Dixon, da Chip Ganassi. O neozelandês é pentacampeão da Fórmula Indy e já venceu as 500 Milhas em 2008. 

Quem completou o Top 3 foi o norte-americano Graham Rahal, companheiro de equipe de Sato.

Entre os pilotos brasileiros, o melhor colocado foi Hélio Castroneves, que terminou em 11.º após largar em 28.º lugar. 

O piloto da Penske já venceu três edições da mítica corrida dos Estados Unidos - em 2001, 2002 e 2009.

Já Tony Kanaan, que venceu a Indy 500 em 2013 e foi campeão da Fórmula Indy em 2004, ficou em 19.º. 

O espanhol Fernando Alonso, bicampeão mundial da Fórmula 1, cruzou a linha de chegada somente em 21.º com a Arrow McLaren.

A CORRIDA 

Após a largada lançada, Dixon assumiu a ponta, desbancando o pole Marco Andretti. 

Este logo cairia para quinto, atrás também do norte-americano Ryan Hunter-Reay, de Sato e do canadense James Hinchcliffe. Mais atrás, Alonso seguiu no fundo do pelotão, em 24.º.

Na sequência, o norte-americano Ed Carpenter teve problemas e precisou parar. 

O mesmo ocorreu com o australiano James Davison, que viu o freio dianteiro direito de seu carro pegar fogo e teve de abandonar no meio da pista, causando a primeira bandeira amarela.

Depois da saída do safety car, foi a vez do sueco Marcus Ericsson bater. O ex-piloto da Fórmula 1 escapou de traseira e não conseguiu evitar o acidente. 

Nova bandeira amarela. Foi o gatilho para a primeira rodada de pit stops. Após as paradas, quem apareceu na ponta foi Simon Pagenaud, que venceu as 500 Milhas de 2019. 

O piloto francês liderava à frente do novato norte-americano Oliver Askew e do veterano australiano Will Power.

Na volta 50 de 200, a liderança voltou para Dixon, já que Pagenaud teve de parar outra vez. 

Em segundo, o norte-americano Alexander Rossi. Alonso, já com duas paradas, apareceu em 20.º. Os brasileiros Kanaan e Castroneves eram 15.º e 27.º, respectivamente.

Alguns giros depois, Castroneves aproveitou os pit stops dos concorrentes para subir momentaneamente para quarto, atrás de Pagenaud. 

Askew reapareceu em segundo e Rossi foi para sexto, atrás de Sato. Kanaan era o 19.º e Alonso, o 24.º. 

Na sequência, o canadense Dalton Kellett bateu de leve no muro de Indianápolis, mas gerou a entrada de novo safety car.

Quando o carro de segurança saiu, novos acidentes, um deles bem forte. Askew se chocou com violência contra o muro, logo após incidente menos grave do norte-americano Conor Daly. 

As 100 primeiras voltas foram completadas com safety car, mas a bandeira verde tremulou pouco depois. Foi a deixa para Rossi ultrapassar Dixon. 

Entretanto, nova bandeira amarela foi gerada na volta 121, após batida do novato espanhol Alex Palou. Depois do carro de segurança, Dixon voltou à ponta, com Sato na cola.

No meio tempo, Rossi foi punido por sair de forma imprudente do pit stop. Na tentativa de voltar ao pelotão da frente, o piloto forçou demais e bateu, causando nova bandeira amarela. 

Um pouco antes, Hunter-Reay e Pagenaud se tocaram e o francês levou a pior, tendo que fazer uma parada e caindo para o fundo do grid. 

Após a saída de segurança, a disputa ficou polarizada entre Dixon e Sato, com o japonês surgindo à frente.

Nas últimas voltas, Dixon intensificou a pressão em Sato. Graham Rahal apareceu em terceiro, no aguardo de algum erro dos dois ponteiros. 

Entretanto, nova bandeira amarela impediu qualquer batalha, já que Spencer Pigot, dos Estados Unidos, bateu forte e forçou a entrada do safety car. 

A prova foi encerrada com o carro de segurança, com os norte-americanos Josef Newgarden e Santino Ferrucci completando os cinco primeiros.

 
 

Felpuda


Casal de políticos muito conhecido a-do-ra cargos públicos, e, assim, “um puxa o outro” na maratona política, que inclui disputa de mandatos, direção de órgãos e até mesmo nomeações com prerrogativa de não ter de bater ponto. A nova empreitada agora é conquistar uma das prefeituras do interior. Em caso de derrota, é quase certo que os nomes de ambos deverão aparecer no Diário Oficial antes mesmo do fim deste ano.