Clique aqui e veja as últimas notícias!

FUTEBOL

Com dificuldades, times do Estado se preparam para a volta do Estadual

Clássico de Campo Grande marca a rodada de estreia como um dos confrontos mais importantes
16/11/2020 10:00 - Rodrigo Almeida


As equipes classificadas para a segunda fase do Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol se preparam para decidir o campeão a partir do dia 28 de novembro. 

O torneio foi paralisado em março deste ano, por causa da pandemia causada pelo novo coronavírus, após o fim da primeira etapa, e só conseguiu autorização da prefeitura para retornar agora.

Alguns times devem retomar aos trabalhos apenas a partir desta semana. 

A Sociedade Esportiva e Recreativa Chapadão (Serc), o Aquidauanense e o Águia Negra são os mais animados para o retorno da competição, no entanto, a grande atração das quartas de final é o clássico campo-grandense comerário. 

Operário e Comercial, além de rivais em campo, divergem na forma como veem a retomada do futebol.  

De acordo com o Presidente do Galo, Estevão Petrallás, a visão do clube é de que o campeonato deveria ser finalizado em janeiro de 2021. 

“Não poderíamos voltar. Temos uma situação complicada. Preciso honrar os patrocínios dessa temporada, os quais sofreram grande baque por conta da pandemia e não posso fechar novos acordos”, afirmou Petrallás.  

O presidente afirma que vai com um plantel reduzidíssimo, com cinco garotos da base e com a dificuldade de trazer de volta os jogadores que fizeram parte da primeira fase. 

“Teremos 70% dos jogadores e apenas 15 dias para treinar”, disse. O Operário já realiza treinos para o Estadual.  

Já o Comercial mantém uma abordagem um pouco mais otimista em relação à retomada. 

“Com pé no chão, sem fazer loucuras. Damos prioridade à base, além de manter 11 atletas que estavam conosco no começo do ano”, explica o presidente Colorado, Claudio Barbosa, time que também está treinando.  

Assim como o rival, a dificuldade foi trazer os jogadores de fora do Estado para a segunda fase. Os dirigentes afirmam que não é possível manter as despesas que esses atletas geram, além de muitos deles já terem sido alocados em outras equipes Brasil afora.  

SERC

O presidente do clube de Chapadão do Sul, João Félix, é um dos que se mostra mais empolgado entre todos. Ele explica que, diferente dos 26 jogadores que compunham o elenco no começo do campeonato, a equipe deve fechar em 21 ou 22 atletas. 

“Até agora, o plantel conta com 17 jogadores, temos mais quatro chegando na próxima semana e estamos nos preparando para volta”, disse.  

Segundo ele, a Serc se prepara para o clássico regional contra o Costa Rica. “Estamos animados para o jogo e felizes pelo esforço de todos que pediram pela volta dos jogos”, finaliza.  

COSTA RICA

Do outro lado, o Costa Rica começa os trabalhos a partir de hoje, com a apresentação dos atletas contratados e os “repatriados”, que são os atletas que já estavam no clube no início da competição, segundo informou o diretor de futebol do clube, Cesar Mignoli.  

“Repatriamos o máximo de jogadores que conseguimos, mas não é fácil, muitos já estão contratados por outros times, outros contundidos e ainda tem a Covid-19, que trouxe ainda mais dificuldade para contratações, mas estamos conseguindo trazer os atletas”, disse Mignoli.

Diferente de algumas equipes que optaram pela base para chegar ao número mínimo de atletas, o clube de Costa Rica tem optado por jogadores profissionais para o mata-mata da competição. 

Apenas dois jogadores do sub-19, que já estavam na equipe desde o começo do ano, participarão desta fase por lá.

Para garantir a estrutura aos jogadores, o clube agora tenta retomar o repasse da prefeitura, que foi paralisado na primeira fase, por causa da pandemia da Covid-19. O valor, conforme Mignoli, é essencial para o time conseguir cumprir com suas obrigações.

ÁGUIA NEGRA

Um dos times que chega com mais chances é o Águia, que tem ritmo de jogo pela disputa da Série D do Campeonato Brasileiro. Com chances de classificação na competição, o técnico, Rodrigo Cascca, mostra-se confiante com o Estadual.  

“Mantivemos 70% da equipe, e ocupamos apena quatro das sete vagas da cota”, explica. Para o treinador, é importante definir o campeonato de 2020, para poder encerrar o ano com um desfecho da competição. “É importante para planejar 2021, e manter a base da equipe”, analisa.