Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FUTEBOL

Botafogo e Flu esperam por Justiça para não jogarem segunda

Apesar de ter entrado na Justiça contra a realização dos jogos, ainda não houve decisão
20/06/2020 16:01 - Daiany Albuquerque


 

Botafogo e Fluminense entraram com uma ação no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) para não serem punidos por W.O. e para remarcar suas partidas. O resultado, entretanto, ainda não foi divulgado e deverá ser tomado pelo presidente do tribunal, Paulo César Salomão Filho.

Conforme da Taça Rio, segunda fase do Campeonato Carioca, até agora os clubes jogam na segunda-feira (22) pela terceira e quarta rodada, respectivamente. O torneio ainda terá o Vasco entrando em campo neste domingo.

O Fluminense quer que os jogos do dia 22 e 25 de junho sejam transferidos para 1º e 4 de julho. O clube não concorda com a retomada dos jogos da Taça Rio, definida pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), por conta da situação da pandemia do novo coronavírus no Estado. 

Neste sábado houve uma conciliação entre os times e a federação, mas não houve consenso sobre a data em que seriam realizados os jogos marcados para este mês, portanto, quem dirá sobre a perda de ponto ou não será o juiz, que deverá publicar o despacho ainda nesta tarde.

O campeonato foi paralisado por conta da pandemia da Covid-19 restando duas rodadas para o fim da fase de grupo da Taça Rio. Enquanto o Fogão está em quarto no Grupo A, o tima das Laranjeiras é o líder do Grupo B e pode chegar direto na final da competição por ter a melhor campanha geral, com 24 pontos.

TABELA

Conforme a tabela da competição, amanhã o Vasco enfrenta o Macaé em São Januário, às 15h (horário de Mato Grosso do Sul). Já o Botafogo pega a Cabofriense no Engenhão, no domingo às 16h30. O Fluminense joga, por enquanto, à noite, às 19h, no Maracanã, contra o Volta Redonda.

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.