Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PRESTAÇÃO DE CONTAS

André gastou 6 vezes mais que Orcírio na campanha

André gastou 6 vezes mais que Orcírio na campanha
07/09/2010 21:03 -


Fernanda Brigatti

O governador André Puccinelli (PMDB) já gastou R$ 7,6 milhões em sua campanha à reeleição. O montante é quase sete vezes maior do que o investido por seu principal adversário, o ex-governador José Orcírio dos Santos (PT). O petista declarou ter gasto R$ 1,1 milhão da disputa pelo governo de Mato Grosso do Sul.
As informações constam na segunda prestação de contas parcial dos candidatos, comitês e partidos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), divulgada ontem pela Corte.
A principal despesa de Puccinelli foi com o abastecimento das contas de outros candidatos. Segundo o balancete do TSE, o governador investiu R$ 4,522 milhões em doações a outros candidatos. José Orcírio declarou não ter realizado esse tipo de procedimento.
O valor doado por Puccinelli é três vezes maior que o total investido por Orcírio em sua própria campanha. De acordo com as informações declaradas à Justiça Eleitoral, José Orcírio gastou R$ 1,141 milhão até agora. A maior parte desse dinheiro – R$ 790 mil – foram gastos com serviços de terceiros, que podem incluir, por exemplo, a contratação de cabos eleitorais. Com esse tipo de serviço, Puccinelli declarou ter gasto R$ 971,4 mil.
Na disputa pelo Senado, Delcídio do Amaral (PT), candidato a reeleição, declarou ter gasto ainda mais que José Orcírio, do seu partido, que concorre ao governo. Segundo os dados encaminhados ao TSE, Delcídio teve R$ 2,42 milhões em despesas. Assim como André Puccinelli, o maior gasto de Delcídio foi com comitês de outros candidatos, para os quais ele doou R$ 1,595 milhão.
O deputado federal Waldemir Moka (PMDB) declarou R$ 1,164 milhão em despesas no segundo mês de disputa, do quais R$ 505 mil foram doados a outros comitês.
Os candidatos Murilo Zauith (DEM) e Dagoberto Nogueira (PDT) foram os que menos tiveram despesas, segundo declaração ao TSE. O democrata declarou ter gasto R$ 153,9 mil e o pedetista R$ 144,2 mil. As despesas dos dois se concentraram na impressão e produção de material publicitário e pagamento de combustíveis.

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...