Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PMDB

André recebe pressão para disputar Senado

André recebe pressão para disputar Senado
13/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Reportagem na edição de hoje (13) do jornal do Correio do Estado mostra que o governador André Puccinelli (PMDB) deverá receber forte pressão das lideranças do partido, dos aliados e do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), para desistir da aposentadoria e concorrer ao Senado nas eleições deste ano.

As pesquisas internas do partido indicam o favoritismo de André sobre qualquer nome de outro político e a sua participação alavancaria o nome do ex-prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad Filho na sucessão estadual. Temer disse a Nelsinho que iria conversar com o governador para rever o plano de não concorrer em mais uma disputa eleitoral.

O vice-presidente da República considera essencial a presença de André na disputa para ajudar na eleição de Nelsinho a governador do Estado, além de contribuir decisivamente na formação de grande bancada de deputados federais e na eleição do senador. O presidente regional do PMDB, deputado estadual Júnior Mochi, é outro determinado a convencer o governador a concorrer ao Senado.

‘Gurizada não dá conta sozinha’

O presidente regional do PSD, ex-senador Antonio João Hugo Rodrigues, considerou importante a renovação política como vem defendendo o governador André Puccinelli (PMDB), mas advertiu que às vezes “a gurizada não dá conta”. Para ele, a mudança “não se faz do dia para a noite”.

Antonio João faz parte da corrente política para André renunciar ao mandato e concorrer ao Senado. “Penso eu que o André não quer ser candidato, mas isso não significa que ele não vai ser”, afirmou. A reportagem é de Adilson Trindade e Tavane Ferraresi.

Felpuda


Na troca de alfinetadas entre partidos que não se entenderam até agora sobre eventual aliança, uma outra peça está surgindo: trata-se do levantamento completo sobre investimentos feitos, recursos liberados, parcerias em todas as áreas, além do prazo de quando tudo isso começou. Caso os palanques venham a ficar distanciados, a divulgação será feita à exaustão durante a campanha eleitoral, para mostrar quem é quem na história. Os bombeiros continuam atuando.