Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

'JUSTICEIROS'

Após furtar casa, ladrão apanha e é amarrado até a chegada da PM

Após furtar casa, ladrão apanha e é amarrado até a chegada da PM
16/02/2014 13:33 - Gabriel Maymone


A ação dos chamados 'justiceiros' tem ganhado força. Na madrugada deste domingo (16), um homem que furtou uma casa foi detido por populares e amarrado até a chegada da Polícia Militar, em Sidrolândia (MS).

Segundo o Sidrolândia News, Antonio Mendes de Sá, 38 anos, conhecido nos meios policiais como Maninho, estava furtando uma casa na Rua Paraná com a Rua Ponta Porã, quando foi flagrado por populares. Iniciou-se então o “pega ladrão” até que o suspeito foi detido, após algumas trocas de empurrões e socos.

Com uma corda, as pessoas amarraram os pés e as mãos do acusado e acionaram a PM, que levou Antonio até a Delegacia de Polícia, onde foi preso em flagrante.

Qualquer pessoa pode prender um assaltante, ou apenas os policiais?

Segundo o Código de Processo Penal, em seu Art. 301, qualquer do povo poderá e as autoridades policiais e seus agentes deverão prender quem quer que seja encontrado em flagrante delito. Ou seja, qualquer pessoa pode prender e os policiais têm a obrigação de fazê-lo. No entanto, quem prender outrem em flagrante deve conduzir o preso à presença da autoridade policial, isto é, o delegado de polícia. Inclusive com o uso da força moderada para vencer a resistência do preso.

Não é recomendável que o cidadão tome essa medida contra assaltantes armados ou mais fortes do que ele, o que poderá provocar-lhe danos irreparáveis.

É recomendado que o cidadão compareça à Delegacia com testemunhas, pois se o assaltante for primário será a palavra de um contra o outro

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.