Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GURY MARQUES

Avenida é palco da 2ª morte em 48 horas

Avenida é palco da 2ª morte em 48 horas
01/07/2010 06:27 -


karine cortez

Em menos de uma semana mais um acidente grave aconteceu na Avenida Gury Marques, na saída para São Paulo, em Campo Grande. Ontem, a vítima foi o ciclista Luiz Severino da Silva, de aproximadamente 50 anos. Ele foi atropelado por um Corolla, por volta das 7h30min. Luiz chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para a Santa Casa, onde morreu duas horas depois de ser internado. Na última segunda-feira, Jean Carlos Saldanha Mercado, 6 anos, foi atropelado na mesma via e morreu no local.

O ciclista seguia no sentido bairro/centro e ao virar à esquerda foi atingido pelo veículo, conduzido por um homem que não teve o nome divulgado. A amiga de Luiz, Sônia Rodrigues, 23 anos, que o acompanhava no caminho, contou que ambos moram na região das Moreninhas e iam para o trabalho quando a vítima se despediu e atravessou para o outro lado da via, seguindo para a empresa onde trabalhava.

Segundo a amiga, Luiz não viu o carro. “Nem tive tempo de avisar ele. Ele virou com tudo e nem olhou. Frequentamos a mesma igreja do bairro e conheço a família dele, é uma coisa muito triste”, lamentou a amiga. A bicicleta de Luiz ficou totalmente destruída e com o impacto da colisão ele foi lançado a alguns metros.

Queixas
Moradores da região reclamam do excesso de velocidade com que os motoristas trafegam na via. “Acidente aqui é constante. Tem vários bairros para os dois lados da pista e não há passagem para pedestre e nem ciclovia. Vão construindo bairros e nem pensam em nós”, disse o representante comercial Adriano Dias, 32 anos, que mora no Bairro Novo Século.

De acordo com a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), um radar ou lombada eletrônica será instalado na Gury Marques. A licitação para compra do equipamento já está em andamento.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.