Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRANSGENIA

Brasil caminha para ser o maior produtor de transgênicos mundiais

Brasil caminha para ser o maior produtor de transgênicos mundiais
24/02/2011 21:30 - Sociedade Sustentável


“O Brasil caminha de forma rápida para ser o maior produtor de transgênicos do mundo”, afirma o presidente do Serviço Internacional para Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (Isaa), Clive James. De acordo com relatório da organização, em 2010, foram plantados no País 25,4 milhões de hectares com culturas – soja, milho e algodão – geneticamente modificadas, um crescimento de 19% em relação a 2009 – uma área equivalente a do Piauí.

James afirma que os países em desenvolvimento são os maiores produtores de transgênicos no mundo. O Brasil ocupa a segunda posição no ranking de nações produtores de transgênicos, logo acima da Argentina. Os Estados Unidos lideram a lista, com o cultivo de 66,8 milhões de hectares.

A crescente adoção da tecnologia de produção de transgênicos por agricultores é uma indicação, segundo James, da busca por aumento da produtividade e redução de custos com herbicidas. Para o diretor do Greenpeace, Sérgio Leitão, “o avanço do cultivo de transgênicos é preocupante porque o Brasil não possui meios eficazes para controlar os riscos que esse tipo de lavoura traz”.

Na opinião de Leitão, nesse tipo de cultivo “o agricultor fica refém de três ou quatro multinacionais que controlam a quantidade de sementes transgênicas e não transgênicas que chega ao mercado e, como os transgênicos são mais rentáveis, fica mais difícil para o produtor encontrar sementes convencionais”. Outro problema, explica, é surgimento de pragas mais resistentes, registradas apenas em lavouras geneticamente modificadas.

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!