Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

KIRCHNER:

Brasil é mais protecionista que Argentina

Brasil é mais protecionista que Argentina
02/03/2014 00:00 - Folhapress


Criticando a quem chama seu governo de protecionista, Cristina Kirchner lembrou que, segundo relatório da OMC (Organização Mundial do Comércio), o Brasil ocupa o 1º lugar no ranking de de protecionismo, três posições acima da Argentina.

"Veja, isso não é de nenhuma maneira uma crítica ao Brasil. Mas quando forem chamar este governo de protecionista, saibam que estamos em 4º lugar", afirmou.

A presidente argentina discursou no Congresso argentino hoje, em uma sessão que inaugurou o ano legislativo no país.

Em sua fala, Cristina afirmou que a economia argentina "voltou a crescer" e que seu governo e o de Néstor Kirchner alcançaram o período "mais virtuoso de crescimento com inclusão social em 200 anos da nação".

E disse que até a metade do seu segundo mandato, seu governo "suportou oito corridas cambiais" por US$ 60 bilhões. "Foram obstáculos difíceis que tivemos que enfrentar", disse, antes de se declarar "a avó das corridas bancárias".

Cristina avisou aos parlamentares que seu governo enviará projetos de lei com medidas para sancionar "monopólios e oligopólios" que aumentam os preços e "roubam os bolsos" dos argentinos.

"Devemos colocar em agenda legislativa e sancionar instrumentos que defendam de uma vez os usuários e consumidores diante do abuso de setores concentrados, de monopólios e oligopólios", afirmou.

A presidente voltou a atacar os empresários que seguem remarcando os preços no país após a grande desvalorização do peso, em janeiro, dizendo que "não há justificativa" para esse aumento.

Felpuda


A parceria que até então era cantada em prosa e verso, com direito à divulgação de fotos em momentos de muita alegria, dá sinais de que realmente está se esgotando. O tal parceiro quase não mais aparece nos meios de divulgação, e até criticas, digamos, “meio de leve” vêm sendo feitas. Dizem que está o “maior climão”.Mas pelo sim, pelo não, resta esperar para ver onde é que essa parceria chegará. Sei não...