Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Carnaval de Corumbá injetou R$ 5,4 milhões na economia local

Carnaval de Corumbá injetou R$ 5,4 milhões na economia local
22/02/2010 03:42 -


Atraindo pelo menos 25 mil turistas, o carnaval de rua de Corumbá, considerado o melhor do interior brasileiro, gerou movimento de R$ 5,4 milhões durante uma semana, revelou ontem a prefeitura ao divulgar balanço. O evento alcançou todos os setores econômicos – do borracheiro à rede hoteleira – e também proporcionou três mil empregos temporários. O município investiu R$ 2,2 milhões na organização da folia pantaneira, dinheiro destinado principalmente para a infraestrutura de camarotes, arquibancadas, sistema de som e shows (grupo Revelação e o sambista Arlindo Cruz. O retorno para a cidade justificou “a ideia que sempre tivemos de apostar no carnaval”, segundo o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira. “Essa aposta sign ifica acreditar no resgate de uma história e uma tradição que fazem parte do sentimento e da alma corumbaenses”, observou o prefeito, acrescentando que o carnaval é hoje, seguramente, “o momento que mais impacta positivamente na economia corumbaense, gerando renda e emprego para a população e fortalecendo o turismo cultural”. O carnaval consolidou-se como o principal evento do calendário da cidade, que tem um atrativo por mês de grande impacto turístico. A festa também passou a contar com o apoio dos governos federal e estadual, que, juntos, liberaram R$ 530 mil. Mas a verba do Ministério do Turismo (R$ 300 mil), garantida pelo senador Delcídio do Amaral (PT), chegará em março. Números O presidente da Fundação de Cultura e Turismo do Pantanal, Carlos Porto, detalhou alguns números levantados até o momento. Conforme ele, a movimentação financeira no período foi de R$ 5,4 milhões, sem considerar os pagamentos com cartões de crédito e débito. Com média de gasto de R$ 120 por pessoa/dia, apenas a rede hoteleira faturou R$ 1,15 milhão.

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!