Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESQUECIMENTO

Comunidade do Indubrasil quer mais serviços, limpeza e estrutura

Comunidade do Indubrasil quer mais serviços, limpeza e estrutura
26/02/2014 09:00 - DA REDAÇÃO


                  Moradores da região do Indubrasil enfrentam drama cotidiano (Foto: Gerson Oliveira)

Dez anos após ser inaugurado no Jardim Inápolis, na região do Distrito Industrial Indubrasil, distante cerca de 10 quilômetros de Campo Grande, o Conjunto Residencial Tuiuiú ainda aguarda por serviços públicos, infraestrutura básica, limpeza e cascalhamento de ruas para as cerca de 100 famílias que residem no loteamento. A reportagem está na edição de hoje (26) do jornal Correio do Estado

O cenário de esquecimento também é o mesmo nas vilas Manoel Secco Thomé e Sarandi, que, junto ao Núcleo Industrial de Campo Grande, formam o Indubrasil, criado há quase 40 anos à beira da BR-262, entre a Capital e Terenos.

O descaso do poder público com a região começa pela má conservação das ruas. Na Rua Principal 1— na prática, uma avenida asfaltada que começa na rotatória da Avenida Solon Padilha com o minianel rodoviário e a BR-262, e que dá acesso à região do Indubrasil —, o canteiro central está tomado pelo mato, que, também, quase encobre a sinalização de trânsito.
Próximo dali, na Rua Ganso, em trecho onde termina o asfalto, um lixão foi formado em meio ao mato, próximo da área ocupada irregularmente por 11 famílias até a inauguração do Conjunto Tuiuiú.

“Ali, era cheio de casas. Tiraram o pessoal, colocaram no residencial e ficou o abandono”, conta Edilene Cebálio de Oliveira, 35 anos, residente na Vila Manoel Secco Thomé. A reportagem é de Daniella Arruda.

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!