Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ABIC

Consumo de café cai primeira vez em 10 anos

Consumo de café cai primeira vez em 10 anos
18/02/2014 09:15 - otempo


O consumo interno de café no Brasil caiu 1,23% em 2013, totalizando 20,08 milhões de sacas de 60 kg, em comparação com 20,33 milhões de sacas em 2012. Foi a primeira queda desde 2003 e a segunda desde o início da série histórica, de 1990. Os dados fazem parte de relatório “Indicadores do consumo de café no Brasil – 2013”, divulgado ontem pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic).

A Abic atribui essa retração ao fato de que a mesa do café da manhã ganhou inúmeras novas opções de bebidas prontas para o consumo, como sucos, achocolatados, bebidas à base de soja etc. Embora ainda pouco consumidas, essas bebidas têm crescimento elevado e concorrem com o café. O consumo per capita foi estimado pela Abic em 4,87 kg café torrado por habitante/ano, em comparação com 4,98 kg café torrado por habitante/ano em 2012.

O consumo doméstico de café atinge cerca de 95% dos lares, mas mantém-se estável, enquanto outros produtos ou novas categorias crescem acima de 20% ao ano, como é o caso do suco pronto (25%) e as bebidas à base de soja (29%), segundo pesquisas complementares da Kantar Worldpanel. “Essas categorias de maior valor agregado desafiam a indústria de café para a inovação, o que pode ocorrer com a oferta de cafés de melhor qualidade”, diz a Abic.

Os preços do café nas prateleiras do varejo diminuíram em 2013. O valor médio do quilo caiu de R$ 14,82 em janeiro de 2013 para R$ 12,55 em dezembro, queda de 15% para os cafés “tradicionais”, segundo pesquisas feitas no varejo paulistano.

Felpuda


A parceria que até então era cantada em prosa e verso, com direito à divulgação de fotos em momentos de muita alegria, dá sinais de que realmente está se esgotando. O tal parceiro quase não mais aparece nos meios de divulgação, e até criticas, digamos, “meio de leve” vêm sendo feitas. Dizem que está o “maior climão”.Mas pelo sim, pelo não, resta esperar para ver onde é que essa parceria chegará. Sei não...