Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Contas externas atingem o déficit mais alto desde 1947

Contas externas atingem o déficit mais alto desde 1947
23/04/2010 07:22 -


Brasília

O Brasil registrou déficit de US$ 12,145 bilhões nas contas externas no primeiro trimestre deste ano, segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central. Este é o pior primeiro trimestre desde 1947.
Em março, as transações em conta corrente ficaram negativas em US$ 5,06 bilhões. O numero é maior do que o registrado no mês passado (US$ 3,251 bilhões) e superior a março de 2009 (US$ 1,559 bilhão).
A conta das transações correntes inclui o resultado da balança comercial, os gastos do Brasil com serviços fora do país, remessas de lucros e dividendos, além das transferências unilaterais. Para este mês, a previsão é de um déficit de US$ 4,8 bilhões, segundo o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes.
A balança comercial fechou com superávit de US$ 668 milhões no mês. No ano passado, o resultado da conta comercial havia ficado positivo em US$ 1,757 bilhão.
Já a conta de serviços e rendas, que abrange os resultados das remessas de lucros e dividendos, viagens internacionais e outros, ficou negativa em US$ 6,01 bilhões.
O déficit das contas externas já é quase metade do total registrado em todo o ano de 2009 (US$ 24,302 bilhões). No primeiro trimestre do ano passado, o Brasil teve déficit de US$ 4,93 bilhões.
Na última revisão para o fechamento deste ano, o Banco Central previu rombo de US$ 49 bilhões para as contas externas. O valor é superior aos US$ 45 bilhões previstos para os Investimentos Diretos Estrangeiros (IDE) em 2010.

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...