Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Conterrâneos não acreditam que Bruno mataria

Conterrâneos não acreditam que Bruno mataria
04/07/2010 00:40 -


AGÊNCIA ESTADO, SÃO PAULO

Menino pobre que se tornou conhecido no Brasil inteiro, o goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, de 25 anos, é um ídolo em Ribeirão das Neves, sua cidade natal, na região metropolitana de Belo Horizonte. Lá, ninguém acredita que ele esteja envolvido no desaparecimento da ex-amante Eliza Samudio, de 25 anos.
“O pessoal aqui está revoltado com essa história. O Bruno não seria capaz de uma coisa dessas”, diz a professora Patrícia Fortunato, que o conhece desde criança. “Minha lista de suspeitos só tem um nome: Bruno”, rebate o delegado Edson Moreira.
O goleiro é descrito como uma pessoa de personalidade forte e temperamento explosivo. Mulherengo e festeiro, também é lembrado pela lealdade à família e aos amigos, principalmente os que o acompanharam durante a infância na Vila Santa Matilde, a “favelinha”.
As demonstrações de riqueza e caridade são constantes. Nos últimos três anos, o jogador organizou um torneio beneficente de futebol na cidade. Na edição 2009 da Copa Bruno, 12 equipes participaram. Para dar o pontapé inicial, o goleiro chegou de helicóptero, que pousou no círculo central do estádio. “Isso aqui estava cheio de gente. Quando o helicóptero chegou, ficou todo mundo gritando e acenando para ele”, lembra o zelador do campo, João Marcelino Onorato.

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...