Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Democrata deve decidir candidatura no fim do mês

Democrata deve decidir candidatura no fim do mês
19/03/2010 06:00 -


Diante do risco de concorrer sem o apoio integral do PMDB, o vice-governador Murilo Zauith (DEM) pediu ao governador André Puccinelli (PMDB) mais tempo para decidir se vai disputar vaga ao Senado nas eleições deste ano. Em princípio, ele daria seu posicionamento no último dia 17, mas adiou a resposta para o final deste mês. No entanto, segundo o deputado estadual Zé Teixeira (DEM), ele já deu sinais de que vai desistir da disputa. “O Murilo sinalizou que não é candidato a senador. Ele me disse: ‘Zé, nessas condições, eu não sou candidato ao Senado’. Agora, isso ele me disse como amigo, pode mudar de opinião”, contou o deputado. Na segunda-feira, o governador André Puccinelli (PMDB) garantiu a Murilo “igualdade de condições”, se o democrata aceitar fazer dobradinha com Waldemir Moka (PMDB) para o Senado. “Mas qualquer leigo sabe que o candidato do governador ao Senado é o Moka”, observou Teixeira. Quarta-feira, Murilo teve novo encontro com o governador, mas ainda não respondeu ao convite para integrar a chapa majoritária como candidato a senador. O democrata pediu prazo até o final do mês para dar resposta definitiva sobre sua candidatura. No mesmo dia, Zé Teixeira conversou com Puccinelli sobre a candidatura de Murilo. O governador comentou com o democrata que sua chapa precisa de um representante da região de Dourados. “Então, por que o Murilo não pode permanecer como vice?”, indagou o deputado ao peemedebista. Puccinelli não respondeu. Zé Teixeira revelou que, na hipótese de não concorrer ao Senado, Murilo avalia a possibilidade de disputar cadeira na Câmara dos Deputados ou na Assembleia Legislativa, embora o vicegovernador tenha dito que não está em seus planos tentar vaga no parlamento.

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.