Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PAPUDA

DF ainda não foi notificado para explicar regalias

DF ainda não foi notificado para explicar regalias
01/03/2014 14:39 - folhapress


Dois dias depois de o juiz da Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal Bruno André Silva Ribeiro ter dado 48 horas para o governador Agnelo Queiroz informar se já foi instaurada investigação para apurar denúncias de privilégios aos condenados na Ação Penal 470 (mensalão) no Complexo Penitenciário da Papuda, a Assessoria de Imprensa do Governo do Distrito Federal (GDF) informou que o Agnelo ainda não foi notificado da decisão. Segundo a assessoria do GDF, Agnelo chega hoje à noite de Gyeongju, na Coreia do Sul, onde Brasília foi escolhida sede do Fórum Mundial das Águas de 2018.

Na decisão, assinada na última quinta-feira (27), o juiz Bruno Ribeiro diz que, após receber as informações de Agnelo, decidirá sobre o pedido feito pelo Ministério Público de transferência dos condenados do mensalão para presídios federais.

Reportagem publicada nessa sexta-feira (28) pela revista Veja mostra que o governador Agnelo Queiroz fez uma visita ao ex-ministro José Dirceu na Penitenciária da Papuda, no último dia 20. O encontro não foi divulgado na agenda oficial do governador.

Em nota à imprensa, o GDF informa que o encontro não foi programado. Agnelo teria aproveitado uma inauguração de uma unidade de acolhimento de socioeducandos do antigo Centro de Atendimento Juvenil para, em seguida, fazer uma "inspeção às instalações da Papuda”.

"Durante a visita, [o governador] encontrou-se com o ex-ministro e ex-deputado federal José Dirceu. Eles trataram de assuntos pessoais e o ex-ministro manifestou sua expectativa em relação ao julgamento de recurso junto ao Supremo Tribunal Federal", traz a nota do GDF.

O documento ressalta ainda que essa foi a segunda visita de Agnelo ao Complexo Penitenciário. Na primeira, o governador foi pessoalmente verificar o estado de saúde do ex-deputado federal José Genoino, hoje em prisão domiciliar.

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.