Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Escritora prepara o oitavo livro

Escritora prepara o oitavo livro
24/05/2010 06:42 -


Divina Célia Garcia, 37 anos, por sua vez, fez da deficiência seu mote na literatura. Com sete livros publicados, prepara um novo e começa a ter reconhecimento nacional. Foi uma das finalistas do Prêmio da “Revista Sentido”, que anualmente destaca a produção artística e intelectual de portadores de necessidades especiais.

A entrega do prêmio aconteceu em abril, em São Paulo, e Divina ficou entre os três primeiros colocados. “Meu próximo livro, que quero lançar em breve, contará com participação de pessoas ligadas à revista. O material trará elementos que utilizei em outros trabalhos e coisas mais recentes”.

Nascida em Juti, mas morando atualmente em Naviraí, onde se dedica a empresas de comunicação, fez do dia a dia palco para dar mais visibilidade aos portadores de necessidades especiais. Teve poliomielite aos três meses, e, em consequência, problema de locomoção. “Até os sete anos fiquei em constante processo de recuperação, afastada de quase tudo”. Essa fase está presente em livros como “Minhas singelas pegadas” e “Desafios”.

Em sua avaliação, a vida de um deficiente é “bem silenciosa”. Por isso, a literatura é um bom caminho para que a realidade dele seja conhecida por mais pessoas. “Muitas vezes, é o próprio deficiente que não se aceita. Antes de mais nada, é ele quem precisa se aceitar”.

Durante vários anos, Divina percorreu cidades de Mato Grosso do Sul vendendo suas publicações, de porta em porta. “A literatura não sai mais da minha vida, é a forma que encontrei para levar aos outros as minhas emoções e necessidades”, aponta Divina. (OR)

Felpuda


Sem conseguir controlar a verborragia, figurinha estreante no mundo político-partidário, e que se acha “o último biscoito do pacote”, acabou batendo de frente com titãs da política. Primeiro perdeu os anéis e, agora, os dedos correm sérios riscos. Anda “ameaçando” deixar o lugar onde se encontra, só que por lá vem ouvindo frases como “se é por falta de adeus...”, “os incomodados que se mudem” e “não fará nenhuma falta”.

Como se vê...