Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Estoque está muito baixo nas farinheiras e produção está reduzida

Estoque está muito baixo nas farinheiras e produção está reduzida
22/02/2010 03:33 -


A diretoria da associação que representa o setor informou que a reduzida oferta de mandioca industrial, provocada pelas chuvas que caem sobre o noroeste do Paraná, maior região produtora, está provocando forte baixa nos estoques das indústrias de amido. Uma saída para amenizar o problema, apontada por industriais do setor, seria importar o produto, ou seja, o Brasil passaria de fornecedor de mandioca a comprador neste momento de dificuldades na produção. O Presidente da Abam, Antônio Donizetti Fadel, relatou, em reunião com associados, que já fez contato com um exportador da Tailândia e aguardam, agora, definições sobre os preços para decidir se fecham a negociação. A intenção seria comprar, inicialmente, 10 mil toneladas do amido tailandês. Para produzir esse volume de amido as indústrias brasileiras teriam que receber 40 mil toneladas de raiz. Fadel explicou que a importação amenizaria os problemas atuais da falta de raiz e funcionaria como estoque regulador do mercado, visto estarem os estoques das indústrias abaixo da demanda. A oferta de mandioca, segundo a associação, está muito abaixo do esperado para esta época do ano, em virtude, também, dos ataques de pragas (cochonilha, mosca branca e bacteriose) em lavouras desses estados e de Mato Grosso do Sul. Para o presidente do Sindicato das Indústrias de Mandioca do Paraná, João Eduardo Pasquini, essa importação seria interessante se o produto chegasse ao Brasil imediatamente. Mas, ele lembrou que os trâmites burocráticos para a importação demoram de 40 a 50 dias, e, é possível que, quando da chegada do amido importado, o mercado já tenha se regularizado. (CF)

Felpuda


Com trabalho suspenso, por causa da Covid-19, investigação parou sem ter começado e, agora, dois dos cabeças do grupo de trabalho estão “chovendo no molhado”. Assim, para continuar, digamos, em evidência, vêm divulgando sobre a “firmeza” de ambos em “dar continuidade”, tão logo acabe a pandemia que, assim como os resultados dos trabalhos, são incógnitas que só. Portanto, melhor seria aguardar o desenrolar dos acontecimentos para sair “cantando de galo”.