Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Exército sírio mata mais de 500 pessoas em menos de 15 dias em Aleppo

Exército sírio mata mais de 500 pessoas em menos de 15 dias em Aleppo
29/12/2013 11:45 - AGÊNCIA BRASIL


Pelo menos 517 pessoas, incluindo 151 crianças, foram mortas em ataques aéreos do Exército sírio contra rebeldes na província de Aleppo desde 15 de dezembro, revelou hoje (29) o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Pelo menos 46 combatentes – 34 rebeldes e 12 extremistas da organização do Estado Islâmico no Iraque e no Levante (Eiil) – e 46 mulheres estão também entre as vítimas mortas nos ataques aéreos diários do Exército sírio, que lança "barris explosivos" há duas semanas sobre a capital e a província do Norte, segundo relatório da organização.

"O OSDH considera que todos aqueles que permanecem em silêncio na comunidade internacional são cúmplices desses massacres que o regime sírio continua a cometer”, disse a organização, considerando que esse “silêncio” é “uma luz verde” para que o regime sírio “continue a largar barris de ódio sobre crianças, mulheres e idosos em Aleppo e na sua província”.

Os bombardeios aéreos na antiga capital econômica da Síria foram condenados pelos países ocidentais e organizações humanitárias internacionais. O regime disse visar alvos "terroristas" que se estabeleceram entre os civis.

Aleppo, uma das principais frentes do conflito que devasta o país há mais de dois anos e meio, está dividida, desde o verão de 2012, entre as áreas rebeldes e os setores controlados pelo regime.

De acordo com o OSDH, o regime está tentando avançar em áreas rebeldes localizadas, principalmente, no leste de Aleppo usando táticas já utilizadas para retomar outras localidades.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.