Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESPORTES

Fluminense tenta recuperar a liderança contra o Furacão

Fluminense tenta recuperar a liderança contra o Furacão
31/07/2010 16:50 -


Rio de Janeiro

De olho na liderança, o Fluminense recebe o Atlético Paranaense hoje, às 17h30min (MS), no Maracanã, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Tricolor carioca ocupa a vice-liderança da competição com 23 pontos ganhos, um a menos do que o líder Corinthians, e pretende vencer para recuperar a ponta. Já o Furacão que começou muito mal, segue recuperando-se no campeonato, ocupa a 13ª posição com 13 pontos e espera conquistar a terceira vitória consecutiva, apesar de atuar na casa do adversário. A partida também marcará a volta do árbitro Carlos Simon à competição nacional depois de representar a arbitragem brasileira na Copa do Mundo realizada na África do Sul.
No Fluminense a grande atração é a estreia do atacante Wahington que voltou ao Tricolor das Laranjeiras depois de passar um ano no São Paulo. O Coração Valente vem suprir a ausência de Fred que sofreu uma lesão muscular na partida diante do Botafogo e vai ficar afastado por mais de 20 dias.
Além da confirmação de Washington, o técnico Muricy Ramalho garantiu a volta do volante Diguinho na vaga do suspenso zagueiro Gum. Assim, a equipe tricolor volta a jogar com dois zagueiros e o volante Belletti permanece entre os titulares. O lateral-esquerdo Carlinhos que sentiu um desconforto muscular no treino de quinta-feira segue fazendo tratamento e, se for vetado, Júlio César voltará ao lugar que foi seu no início da temporada.O Atlético Paranaense chega ao Rio motivado pelas vitórias obtidas diante de Goiás e Santos. O técnico Paulo César Carpegiani exaltou a qualidade que a equipe rubro-negra vem demonstrando nas últimas partidas e acredita que a equipe paranaense repita a atuação diante do Fluminense.
Os outros jogos programados para hoje são: São Paulo-SP x Ceará-CE e Atlético-GO x Guarani-SP.

Felpuda


Partido político está vivendo processo de autofagia cá por essas bandas. Nada de ideologia ou defesa dos interesses dos filiados. O problema, segundo os mais observadores, é que lideranças não se contentaram em ter cada uma o seu pedaço e decidiram tomar conta com exclusividade do espólio, que, aliás, é regado com cifras milionárias. A legenda deverá se transformarem uma máquina de lavar, no caso, cheia de roupas sujas. E dê-lhe!