Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PIRATARIA

Funcionário de Unei é preso com cocaína e 13 mil DVDs

Funcionário de Unei é preso com cocaína e 13 mil DVDs
27/12/2013 15:00 - BEATRIZ LONGHINI E VÂNYA SANTOS


O funcionário da Unidade Educacional de Internação (Unei) Dom Bosco, Alisson Benitez Grance, foi preso na madrugada desta sexta-feira (27) acusado de contrabando e tráfico de drogas. O fato ocorreu no Bairro Universitário, em Campo Grande.

Consta no boletim de ocorrência registrado sobre o caso que Alisson conduzia uma motocicleta Titan, quando fugiu da abordagem policial, por volta de 0h10min. Na garupa do veículo havia um adolescente de 16 anos, sem capacete.

No cruzamento das ruas Júlia Pereira de Souza com Ana Luiza de Souza, o passageiro caiu da moto. Já o condutor continuou a fuga, mas foi alcançado e preso momentos depois. Com Alisson foram encontrados 35 papelotes de cocaína, dinheiro e um aparelho celular.

O adolescente contou à polícia que trabalhava numa barraca de vender DVDs piratas, de propriedade de Alisson. Questionado, o funcionário da Unei contou que era dono de comércios de DVDs localizados na Avenida Guaicurus, no Jardim Colibri e na Rua Spipe Calarge.

A polícia esteve nos locais mencionados e apreendeu 13 mil unidades de DVDs piratas e mídias virgens.

O crime de tráfico de drogas será apurado por investigadores da Delegacia Especializada no Combate ao Narcotráfico (Denar), enquanto o contrabando será investigado por equipe da 5ª Delegacia da Capital.

De acordo com a Polícia Civil, em novembro de 2011, Alisson foi preso em flagrante por policiais da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contras as Relações de Consumo (Decon) com 10,1 mil maços de cigarros contrabandeados do Paraguai.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.