Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Governo vai fiscalizar estoques públicos

Governo vai fiscalizar estoques públicos
09/02/2010 01:51 - ADRIANA MOLINA


Mais de 700 mil toneladas de produtos estocados em Mato Grosso do Sul nos armazéns da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e também de terceiros serão vistoriados por equipes técnicas nas próximas semanas. A medida, segundo a companhia, serve para verificar a quantidade, a qualidade e as condições da prestação de serviços – no caso das empresas terceirizadas – e é feita a cada dois meses pela estatal. Esta é a primeira inspeção de uma série de nove etapas que acontecerão em todos os estados onde existem estoques públicos. Na fase atual, que começou no dia 25 de janeiro e que vai até o dia 12 de fevereiro, estão sendo fiscalizadas unidades de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Santa Catarina. No Estado, segundo o superintendente regional da Conab, Sérgio Rios, a maioria dos produtos é proveniente de programas como Contrato de Opção e Aquisição do Governo Federal (AGF). “Apenas de milho no Estado temos mais de 660 mil toneladas adquiridas por AGF e Contrato de Opção no ano passado, com o objetivo de retirar o produto do mercado e melhorar os preços ao produtor – que estavam em crise”, disse. Outros produtos Além do milho há ainda no estoque de Mato Grosso do Sul cerca de 2,5 mil toneladas de feijão, 1,5 mil de algodão em pluma, 37,2 mil de trigo e 870 toneladas de farinha de mandioca. No Brasil serão mais de 7 milhões de toneladas de produtos estocados pela Conab. Só de milho serão 5,3 milhões, sendo mais da metade de Mato Grosso. De acordo com a companhia, o grande volume se deve ao excesso de grãos não comercializados no mercado externo, em decorrência da crise internacional. (Com informações da Conab)

Felpuda


Mesmo sabendo que não é fácil conquistar a vitória, alguns políticos em pleno exercício do mandato disputam eleições, querendo trocar o Legislativo pelo Executivo e se dizendo preocupados com as necessidades do município. 

A jogada é antiga: fazem campanha eleitoral antecipada, pois vão tentar a reeleição, e começam a “trabalhar” o nome desde já. É bom lembrar o dito popular: “De boas intenções o inferno está cheio”. Ah, o poder!