Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Homicídio faz população pedir mais segurança

Homicídio faz população pedir mais segurança
18/03/2010 08:18 -


Assustados com o número de crimes que vem ocorrendo na região do Bairro Santa Luzia, moradores da localidade pedem mais policiamento. Segu ndo residentes da Rua Santo André, onde ontem o vigia noturno Pedro Eudes de Moura, 61 anos, foi assassinado a facadas e t iros, pelo menos sete homicídios ocorreram no bairro em um ano. A dona de casa Esmínia Vilela, 54 anos, mora no Santa Luzia há 22 anos e considerava o bairro tranquilo para viver com a família. Mas, segundo ela, a violência “está tomando conta da vila” e a situação amedronta deixando moradores. Drogas “Tem muita gangue aqui e o pessoal que usa droga também não dá paz. A gente não pode nem pensar em sair de casa durante à noite. Já faz uns três anos que a coisa está ficando feia, mas é de um ano para cá que começaram a matar as pessoas”. E sm í n i a c o n t a qu e já tomou con hecimento de, pelo menos, sete assassinatos ocorridos no bairro em 2009. “Todas eram pessoas con hec idas, criadas ju nto com meus fi l hos. Isso dei xa a gente com muito medo mesmo, principalmente, pelo meu filho e marido que trabalham e voltam tarde da noite para casa”. Jos é dos S a ntos, 7 7 anos, morador da casa 330 na Rua Santo André, onde o corpo do vigia assassinado ontem foi encontrado, revela que também se preocupa com a segurança da família. “Não me lembro de ter tido problemas com a bandidagem quando nos mudamos para cá (há 15 anos), mas agora está acontecendo muita coisa errada. É gente assaltando, entrando nas casas, assim não dá mais. A polícia tem que vir e ficar fazendo ronda a noite toda aqui, só assim a gente vai poder ficar tranquilo”. O 9º Batalhão da Polícia Militar (PM) é responsável pela execução do policiamento prevent ivo, bem como pelo atendimento às ocorrências registradas no Santa Luzia. (AZ).

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!