Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Jovens investem para se destacar no cenário

Jovens investem para se destacar no cenário
02/02/2010 23:00 -


Há três anos, a dupla Tiago e Graciano divide a rotina entre o estudo, o trabalho e a música. Com 17 e 19 anos, respectivamente, os dois encaram a carreira com seriedade e sabem que precisam investir para se destacar num cenário concorrido. “Participamos do Coral da Enersul, no qual fazemos estágio, fizemos aula de canto – paramos, mas queremos voltar – e ensaiamos todos os dias”, diz Tiago. Ele é aluno do curso de Análise de Sistemas, enquanto Graciano cursa Publicidade e Propaganda. Os esforços em torno da música apresentam os primeiros resultados. Há pouco tempo formaram uma equipe com produtor e empresário e conseguiram emplacar duas canções – “Dia de violada” e “Não te quero mais” – na programação de uma emissora de rádio no bairro onde moram, Moreninha 2. “Gravamos de forma bem simples, somente com violão e voz, o pessoal tem gostado muito. Também recebemos apoio do músico Airo, que tem música gravada por grandes nomes do sertanejo. Ele viu a apresentação da gente e resolveu ser nosso padrinho, oferecendo uma composição inédita”. O primeiro CD da dupla começa a ser gravado neste mês. O recurso para a produção foi obtido por meio do auxílio de amigos e do que foi arrecadado numa promoção recente. Mesmo com dificuldades e pouca idade, a dupla sabe que precisa ter personalidade para se destacar num cenário disputado. “Temos que fugir um pouco do que está na moda, mostrando diferencial. Tocamos o sertanejo universitário, mas não é esse estilo nosso principal referencial”. Até o momento criaram 15 canções, grande parte poderá ser ouvida no primeiro CD. Tiago e Graciano são representantes da atual cena musical da cidade, que alia talento à dedicação. (OR)

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.