Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Juro deve aumentar 0,75 ponto na próxima semana

Juro deve aumentar 0,75 ponto na próxima semana
17/07/2010 07:40 -


AGÊNCIA ESTADO, SÃO PAULO

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) deve realizar uma última alta de 0,75 ponto porcentual na taxa Selic este ano, na reunião que ocorre na próxima terça e quarta-feira. A avaliação é do estrategista-chefe do WestLB do Brasil, Roberto Padovani, durante entrevista à “AE TV”, da Agência Estado. “A aposta de um aumento de 0,75 ponto nos juros está dada como certa e deve ser o último de 2010”, disse.
Segundo Padovani, a novidade esperada deste encontro é que os membros do Copom devem indicar que estão mais tranquilos quanto ao risco inflacionário. “Acredito que o Banco Central vai sinalizar que irá diminuir o ritmo de alta ou apontar o fim deste ciclo. Teremos novidades muito mais em relação ao encontro de setembro, do que da decisão em si na quarta-feira”, disse.
Na avaliação do economista, a taxa Selic terminará o ano em 11%, com o Banco Central cauteloso, preferindo ter em mãos uma radiografia mais clara do ambiente econômico internacional.
Em relação aos últimos indicadores, apontando desaceleração da economia, Padovani avalia que, de fato, os dados sugerem uma acomodação no ritmo do crescimento e que a preocupação com a inflação do começo do ano está perdendo força. “Essa combinação faz com que os investidores fiquem mais confiantes. Portanto, o risco de inflação está diminuindo, mas ainda é presente”, disse.
Para o economista, a inflação deve continuar sendo determinante nas decisões de política monetária. “Apesar de o quadro externo também ser importante, a meta de inflação permanece no foco do Banco Central”, afirma.

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!