Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Mãe de criança que morreu após agressões mentiu à polícia

Mãe de criança que morreu após agressões mentiu à polícia
04/03/2010 05:45 -


Renata Dutra de Oliveira, mãe da menina Rafaela Dutra de Oliveira, de 3 anos, que morreu vítima de maus-tratos no último final de semana, mentiu durante os depoimentos prestados à Polícia Civil. De acordo com a delegada Regina Márcia Rodrigues de Brito Mota, titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA), três testemunhas ouvidas ontem desmentiram a versão de Renata Dutra, 22 anos, que disse ter prestado atendimento médico à criança na data da primeira agressão – dia 10 de fevereiro. Ela e o marido, Handerson Cândido Ferreira, 25 anos, são acusados de espancar a criança até a morte. Segundo a delegada, o resultado do exame necroscópico no corpo da criança pode ajudar na elucidação do caso. “Com o resultado vamos verificar o horário da morte da criança e, então, poderemos saber onde a mãe estava no momento da agressão”, afirmou a delegada, que acredita ser o padrasto o autor das agressões. Renata está no Presídio Feminino Irmã Irma Zorzi, em Campo Grande, onde ocupa cela individual. Ela foi ameaçada de morte por outras detentas, o que justificou o isolamento. O marido dela e padrasto da criança, Handerson Ferreira, está preso na Delegacia Especializada em Roubos e Furtos, de onde deve ser transferido em breve para o Presídio de Trânsito. Segundo informou a delegada, as conselheiras tutelares que atenderam a criança na primeira agressão não serão responsabilizadas pela morte. Depois do primeiro atendimento havia suspeita de que elas pudessem ter sido negligentes ao não proteger a criança do convívio com a mãe e o padrasto.

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido